Política

Brasil e Peru fecham acordo para acelerar investigação de Odebrecht

O acordo vai facilitar o levantamento de provas nas investigações da Operação Lava Jato

A reunião será realizada nos dias 21 e 22 de janeiro, na sede do BNDES no Rio de JaneiroA reunião será realizada nos dias 21 e 22 de janeiro, na sede do BNDES no Rio de Janeiro - Foto: Prefeitura de Petrolina

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e o chefe do ministério público do Peru, Pablo Sánchez, assinaram nesta sexta-feira (13) um acordo para a troca de informações em investigação de matéria penal. O acordo vai facilitar o levantamento de provas nas investigações da Operação Lava Jato.

Os procuradores divulgaram nota na qual afirmam que os países intensificarão a cooperação internacional em matéria penal "especialmente para aprofundar as apurações em curso sobre corrupção transnacional de funcionários públicos e altas autoridades".

No começo de janeiro, a Odebrecht assinou acordo preliminar com os procuradores do Peru e se compromete a entregar, como garantia, o valor de 30 milhões de soles peruanos (equivalente a R$ 28 milhões).

A Odebrecht já assinou acordos de leniência com Brasil, Estados Unidos e Suíça e se comprometeu a pagar multa de R$ 6,9 milhões.

De acordo com o DOJ, o Departamento de Justiça dos EUA, a Odebrecht pagou mais de US$ 29 milhões em propinas no Peru entre 2005 e 2014 para conseguir contratos com o governo e obteve benefícios superiores a US$ 143 milhões decorrentes desses contratos.

Em dezembro, o governo do Peru havia decidido proibir a participação da Odebrecht em licitações de obras públicas no país.

Veja também

Ajuste nos palanques de SP, MG e Rio é estratégico para a campanha de Lula
Folha Política

Ajuste nos palanques de SP, MG e Rio é estratégico para a campanha de Lula

Para não romper laços, 'zap da família', igrejas e empresas restringem política
Política

Para não romper laços, 'zap da família', igrejas e empresas restringem política