Brasil e Peru fecham acordo para acelerar investigação de Odebrecht

O acordo vai facilitar o levantamento de provas nas investigações da Operação Lava Jato

A reunião será realizada nos dias 21 e 22 de janeiro, na sede do BNDES no Rio de JaneiroA reunião será realizada nos dias 21 e 22 de janeiro, na sede do BNDES no Rio de Janeiro - Foto: Prefeitura de Petrolina

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e o chefe do ministério público do Peru, Pablo Sánchez, assinaram nesta sexta-feira (13) um acordo para a troca de informações em investigação de matéria penal. O acordo vai facilitar o levantamento de provas nas investigações da Operação Lava Jato.

Os procuradores divulgaram nota na qual afirmam que os países intensificarão a cooperação internacional em matéria penal "especialmente para aprofundar as apurações em curso sobre corrupção transnacional de funcionários públicos e altas autoridades".

No começo de janeiro, a Odebrecht assinou acordo preliminar com os procuradores do Peru e se compromete a entregar, como garantia, o valor de 30 milhões de soles peruanos (equivalente a R$ 28 milhões).

A Odebrecht já assinou acordos de leniência com Brasil, Estados Unidos e Suíça e se comprometeu a pagar multa de R$ 6,9 milhões.

De acordo com o DOJ, o Departamento de Justiça dos EUA, a Odebrecht pagou mais de US$ 29 milhões em propinas no Peru entre 2005 e 2014 para conseguir contratos com o governo e obteve benefícios superiores a US$ 143 milhões decorrentes desses contratos.

Em dezembro, o governo do Peru havia decidido proibir a participação da Odebrecht em licitações de obras públicas no país.

Veja também

Huck se encontra com Leite para discutir aliança eleitoral em 2022 entre autores de manifesto
Política

Huck se encontra com Leite para discutir aliança eleitoral em 2022 entre autores de manifesto

STF mantém julgamento sobre Lula em plenário e deixa decisão para esta quinta-feira (15)
Política

STF mantém julgamento sobre Lula em plenário e deixa decisão para esta quinta-feira (15)