Ranking

Brasil é primeiro lugar em corrupção

Ranking é feito por um site especializado nessa legislação, chamada de "Foreign Corruption Practices Act", algo como Lei Anticorrupção no Exterior

Deputado federal Carlos Veras (PT-PE)Deputado federal Carlos Veras (PT-PE) - Foto: Lula Marques

 

Desde março de 2014, quando a Operação Lava Jato deu os seus primeiros passos e atingiu em cheio a classe política, a problemática da corrupção voltou a ganhar forte relevância nos debates sobre os rumos do País. Após quase três anos de denúncias, prisões e forte desgaste das instituições públicas, o Brasil registrou, nesta semana, mais um índice preocupante: é o mais citado por empresas globais investigadas sob suspeita de pagar propina no exterior, de acordo com o ranking elaborado nos Estados Unidos. Esta condição, portanto, atesta que a cultura das práticas ilícitas, enraizada na constituição da própria identidade nacional, extrapola as fronteiras geográficas e impede a resolução de problemas crônicos, tanto no campo social quanto econômico.

O ranking é feito por um site especializado nessa legislação, chamada de "Foreign Corruption Practices Act", algo como Lei Anticorrupção no Exterior. O Brasil é mencionado 19 vezes como o País em que empresas que operam globalmente pagaram propina no ranking, divulgado na última quinta-feira. A China, segunda colocada na tabela, aparece com 17 menções, enquanto o Iraque está em terceiro lugar, com oito citações. Desde 2015, o número de menções ao Brasil praticamente dobrou, de 10 para 19.

Os dados foram extraídos de investigações do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, equivalente ao Ministério da Justiça brasileiro, e da Securities and Exchange Commission (SEC), o órgão que regula o mercado de capitais naquele País. "Nós estamos nessa lista porque a corrupção brasileira já afeta o investidor americano", diz Paulo Goldschmidt, professor da Fundação Getúlio Vargas, onde dirige um grupo de estudos anticorrupção.

Análise
Na opinião do cientista político Guilherme Reis, da Unirio, o combate à corrupção deve passar pela extinção da ideia de que a prática é exclusiva da classe política. Segundo ele, quanto mais o interesse econômico influencia na política e na sociedade, a tendência é que haja corrupção. “A corrupção ocorre, também, na troca de interesses do mundo público com o privado”, diz.

 

Veja também

Jair Bolsonaro evita Fórum Econômico Mundial de novo
Política

Jair Bolsonaro evita Fórum Econômico Mundial de novo

Com apoio da oposição, manifestantes fazem carreatas por impeachment pelo país
Impeachment

Com apoio da oposição, manifestantes fazem carreatas por impeachment pelo país