Brasília aumenta metrô para R$ 5; outras capitais também terão reajuste

Brasília teve o aumento mais expressivo. No Rio, o prefeito Eduardo Paes (PMDB) decidiu cancelar o aumento das passagens.

Luciano BivarLuciano Bivar - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Em meio à crise econômica que atinge o país e com Estados e prefeituras com graves dificuldades financeiras, capitais em todo o Brasil começarão 2017 com a tarifa do transporte público mais cara.

Brasília teve o aumento mais expressivo: o bilhete do metrô vai passar de R$ 4 para R$ 5, 25% a mais -desde o último reajuste, em setembro de 2015, a inflação foi de 9,5%. Mesmo valor custará a passagem de ônibus de longa distância, que levam passageiros do plano piloto às cidades satélites. Viagens de curta distância vão passar de R$ 3 para R$ 3,50. A mudança já vale a partir desta segunda-feira (2).

Após dez anos congeladas, é o segundo aumento de passagens imposto pelo governador Rodrigo Rollemberg (PSB) em pouco mais de um ano. Até setembro do ano passado, a passagem do metrô custava R$ 3, a de ônibus de longa distância custava R$ 2,50, e a de curta distância, R$ 2.

A Prefeitura de Belo Horizonte também anunciou nesta sexta (30) que as passagens de ônibus vão saltar de R$ 3,70 para R$ 4,05, aumento de 9,5%, a partir da próxima terça-feira (3) -o Banco Central prevê inflação de 6,5% no período.

Vitória terá um aumento de 16% já a partir deste domingo (1º): de R$ 2,75 para R$ 3,20. Em Campo Grande o aumento veio mais cedo: a prefeitura subiu a tarifa de ônibus no último dia 22 de R$ 3,25 para R$ 3,55 -9% mais cara.

Em Teresina, o Conselho Municipal de Transporte propôs aumento de R$ 0,55, de R$ 2,75 para R$ 3,30, aumento de 20% -a prefeitura deve bater um martelo nesta terça (3) sobre acatar ou não o valor proposto.

No Rio, o prefeito Eduardo Paes (PMDB) decidiu cancelar o aumento das passagens, que iria para R$ 3,95, a pedido do futuro prefeito Marcelo Crivella (PRB), conforme anunciou a Secretaria Municipal de Transportes nesta sexta.

Em São Paulo, prefeitura e Estado decidiram manter as tarifas de ônibus, metrô e CPTM a R$ 3,80 no próximo ano. Contudo, vão ajustar o preço da integração de sistemas de R$ 5,92 para R$ 6,80 e o bilhete único mensal de R$ 140 para R$ 190.

Veja também

China também precisa da gente, diz Bolsonaro em meio a impasse sobre insumos de vacinas
Coronavírus

China também precisa da gente, diz Bolsonaro em meio a impasse sobre insumos de vacinas

Em reunião com chanceler da Índia em novembro, Ernesto criticou globalismo, mas não falou de vacina
Coronavírus

Em reunião com chanceler da Índia em novembro, Ernesto criticou globalismo, mas não falou de vacina