Bruno: “Alckmin ou quem for vai respeitar PSDB-PE”

Uma aliança entre PSB e PSDB no Estado é vista como “pouco provável” entre tucanos em PE

Ministro defende autonomia do PSDB-PEMinistro defende autonomia do PSDB-PE - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Na condição de potencial candidato à Presidência da República que precisa avançar no projeto, o governador Geraldo Alckmin vem fazendo movimentações nesse sentido. Hoje, recebe a cúpula do PSB em mais um aceno a possíveis aliados em 2018. Uma aliança nacional dos socialistas com o tucanato geraria expectativa de apoio do PSDB, em contrapartida, a projetos locais do PSB. Nesse caso, uma postulação de Márcio França ao Governo de São Paulo e a reeleição de Paulo Câmara entrariam na lista de prioridades. Em Pernambuco, no entanto, a liderança de maior peso do PSDB, hoje, o ministro das Cidades, Bruno Araújo, a despeito do projeto presidencial de seu partido, desde já, à coluna, adverte o seguinte: “Seja Alckmin, João Dória ou quem for (o candidato ao Planalto), vai respeitar a posição do PSDB de Pernambuco e isso vai ser cobrado com ênfase por mim e por todo partido”.

 Em outras palavras, Bruno ressalva: “O PSDB de Pernambuco sempre teve autonomia e nunca foi preciso cobrar isso, sempre foi respeitado. Agora, não vai ser diferente”. Detalhe: qualquer movimento do governador de São Paulo relacionado a Pernambuco mexe não só com tucanos, mas terá reflexos sobre o DEM, do ministro Mendonça Filho, e o PTB, do senador Armando Monteiro, que atuam alinhados, hoje, no Estado. Uma interferência nos planos dos democratas em Pernambuco também pode significar um ruído na relação nacional com o DEM. O PTB também votou com o PSDB nas últimas eleições. Leia-se: o PSB pode até votar com o PSDB na corrida presidencial, o que, não necessariamente, significará uma aliança com os tucanos no Estado.

Em 2016, não teve acordo
Quando o PSB votou com Aécio Neves, fez uma aposta de que teria o apoio do PSDB à candidatura de Geraldo Julio em 2016. E o PSDB-PE não retirou a candidatura de Daniel Coelho.

CONVIDADOS :
Na reunião no Palácio dos Bandeirantes com Alckmin, hoje, estarão, além de Paulo Câmara, Carlos Siqueira, Renato Casagrande, Rodrigo Rollemberg e Márcio França.

Foco : Na avaliação de Paulo Câmara, “o presidente do PSB no Estado tem que se dedicar, em 2018, ao crescimento do partido sem almejar cargos”. Reforça, assim, a mensagem que transmitiu a Júnior Matuto e que o prefeito, à coluna, relatou: Sileno Guedes não deve concorrer à Alepe. Como a coluna registrou ontem, Paulo defende recondução de Sileno à presidência estadual.

Agora não : Secretário-executivo de Articulação Parlamentar do Estado, André Campos faz uma avaliação do movimento que vem sendo desenvolvido por Júnior Matuto. “É legítimo, mas o momento é muito ruim. Há de se levar em conta a questão nacional e a importância da unidade do partido”.

Vínculos :
André diz que o momento “é de pacificação no PSB, não de buscar mais atrito”. E sublinha ainda que Matuto sempre foi ligado “ao grupo mais orgânico do PSB, à base de Eduardo Campos” e que isso deve pesar.

Pela Hemobrás : A mobilização contra o esvaziamento da Hemobrás em Pernambuco chegou a Goiana, sede da indústria. Lideranças políticas e sindicais realizarão audiência pública para tratar do tema, amanhã, às 9h, na Câmara Municipal. O evento está sendo coordenado pelo líder da Oposição no Senado, Humberto Costa, pela deputada Teresa Leitão, pelo vereador Del do Bode e pelo PT no município.

Veja também

Prefeito do Recife, João Campos, testa positivo para Covid-19
Coronavírus

Prefeito do Recife, João Campos, testa positivo para Covid-19

Tribunal abre brecha para reduzir pena tricentenária de Sérgio Cabral
Política

Tribunal abre brecha para reduzir pena tricentenária de Sérgio Cabral