CAPITAL PAULISTA

Bruno Covas diz que vacinação contra Covid-19 não precisará ser obrigatória na capital paulista

A afirmação do prefeito contraria declaração dada pelo governador João Doria (PSDB) no último dia 16 de outubro

Bruno Covas, prefeito de São PauloBruno Covas, prefeito de São Paulo - Foto: Governo do Estado de São Paulo/Divulgação

O prefeito Bruno Covas (PSDB) disse nesta terça-feira (20) que a vacina contra a Covid-19 não será obrigatória aos moradores da capital paulista. Em entrevista à Rádio Eldorado, o tucano, que tenta a reeleição, afirmou que conta com a colaboração da população da cidade para a imunização.

"Nenhuma necessidade de tornar obrigatória [a vacinação]. A gente tem feito aqui campanhas de vacinação em que mais de 90% da população participa, se envolve. Campanha de conscientização da prefeitura é sempre bem feita. Tenho certeza que mais uma vez não será diferente com a campanha de vacinação quando a gente tiver a vacina disponível para o coronavírus", disse.

A afirmação do prefeito contraria declaração dada pelo governador João Doria (PSDB) no último dia 16 de outubro, em que afirmou que a vacinação contra o novo coronavírus será obrigatória em São Paulo, exceto para pessoas que apresentem alguma restrição avalizada por um médico.

A postura de Doria desagradou o governo federal. Nesta segunda-feira (19), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse mais uma vez a apoiadores que a vacina contra Covid-19 não será obrigatória.
 

"O meu ministro da Saúde já disse claramente que não será obrigatória esta vacina e ponto final", disse Bolsonaro a apoiadores na entrada do Palácio da Alvorada.

O governador João Doria aposta as suas fichas na Coronavac, vacina da farmacêutica chinesa Sinovac que será produzida no país pelo Instituto Butantan. Já o governo federal tem o contrato para obter 140 milhões de doses - 100 milhões da parceria entre a AstraZeneca e a Universidade de Oxford e 40 milhões do mecanismo Covax Facility, liderado pela OMS (Organização Mundial de Saúde).

O início da vacinação contra Covid-19 em São Paulo, previsto pelo gestão tucana para dezembro, deve atrasar. Nesta segunda (19), o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que a imunização chinesa é segura, mas ainda falta a conclusão da análise de sua eficácia. Só depois disso é que os testes serão analisados pela Anvisa (Agênci Naciona de Vigilância em Saúde) para o registro da vacina.

Nesta quarta-feira, o governador João Doria vai se reunir com o Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e a presidência da Anvisa para discutir, entre outros assuntos, a inclusão da Coronavac no Programa Nacional de Imunização. A gestão tucana pretende que as doses que serão produzidas pelo Instituto Butantan possam ser aplicadas em outros estado no país.

Veja também

Com apoio da oposição, manifestantes fazem carreatas por impeachment pelo país
Impeachment

Com apoio da oposição, manifestantes fazem carreatas por impeachment pelo país

Carreata no Recife pede impeachment de Bolsonaro e vacinação para todos
BLOG DA FOLHA

Carreata no Recife pede impeachment de Bolsonaro e vacinação para todos