Bumlai é condenado a 9 anos e 10 meses de prisão por corrupção

Pecuarista tomou empréstimo de R$ 12 milhões em seu nome e repassou valor ao PT

O pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi condenado nesta quinta-feira (15) por corrupção e gestão fraudulenta de instituição financeira ao tomar um empréstimo destinado ao PT.

Bumlai tomou um empréstimo de R$ 12 milhões em seu nome, no banco Schahin, em 2004, e repassou os valores ao PT, trabalhando como um "operador do partido", segundo acusou a denúncia.

O juiz Sergio Moro concluiu, com base em documentos e na confissão do próprio Bumlai, que a operação foi "fraudulenta" e que "o real beneficiário dos valores foi o Partido dos Trabalhadores".

O pecuarista confessou parte dos crimes, e sua defesa chegou a argumentar no processo que ele foi "o trouxa perfeito" do PT. Moro, porém, entendeu que não cabia a Bumlai o retrato de "vítima".

"Ninguém obrigou José Carlos Bumlai a aceitar figurar como pessoa interposta no contrato de empréstimo [...] É óbvio que assim agiu para, assim como o Grupo Schahin, estabelecer ou manter boas relações com a agremiação política que controlava o Governo Federal", escreveu o magistrado.

O empréstimo nunca foi quitado: um acordo garantiu que a Schahin perdoasse a dívida em troca de um contrato de US$ 1,6 bilhão com a Petrobras, para a operação de um navio-sonda, em 2009.

Para Moro, a contratação da Schahin para o contrato bilionário "revestiu-se de grotesca ilicitude, sendo fruto de escolha arbitrária de agentes da Petrobrás e motivada por razões espúrias".

"Os fatos revelam a utilização indevida da estrutura da empresa estatal para benefício pecuniário de agremiação política, com a atuação consciente de dirigentes da Petrobrás", escreveu Moro.

Bumlai, que está preso preventivamente na Polícia Federal em Curitiba, foi condenado a 9 anos e 10 meses de prisão.

Também foram condenados os executivos do grupo Schahin, Milton Schahin, Fernando Schahin e Salim Schahin; o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró; o ex-gerente da estatal Eduardo Musa; o operador e lobista Fernando Soares, o Baiano; e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto.

Ainda cabe recurso à decisão.

Veja também

Ministério da Saúde abre consulta pública sobre diretrizes para esclerose múltipla
Saúde

Ministério da Saúde abre consulta pública sobre diretrizes para esclerose múltipla

Ricardo Teobaldo fortalece Podemos nas eleições municipais
Edmar Lyra

Ricardo Teobaldo fortalece Podemos nas eleições municipais