Cabral não responde a perguntas de Moro e admite caixa 2 em campanha

E-x governador do RJ é suspeito de chefiar esquema de corrupção que cobrou propina de construtoras, lavou dinheiro e fraudou licitações

Ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio CabralEx-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral se recusou nesta sexta-feira (28) a responder a perguntas do juiz federal Sérgio Moro em depoimento em um dos processos da Operação Lava Jato. No início da oitiva, Cabral seguiu orientação de seu advogado e disse ao juiz que iria optar pelo direito constitucional ao silêncio e que responderia apenas a perguntas de sua defesa.

Quando os questionamentos do juízo e do Ministério Público foram feitos, Cabral ficou literalmente em silêncio e provocou risadas em Moro e nas demais pessoas que estavam presentes na audiência. “O senhor tem que dizer que não responde. Não é literal. Não é para brincar de vaca amarela”, disse Moro em referência a uma brincadeira popular que consiste em um desafio para que todos fiquem em silêncio.

Durante a audiência, Cabral disse que não recebeu propina da empreiteira Andrade Gutierrez para favorecer a empresa nas obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) da Petrobras. O ex-governador admitiu, no entanto, ter recebido caixa 2 para financiar a própria campanha eleitoral ao governo do Rio de Janeiro.

Cabral é alvo de sete denúncias oferecidas pelo Ministério Público Federal (MPF) na Operação Calicute, um desdobamento da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro. Ele está preso desde 17 de novembro do ano passado no Complexo Prisional de Bangu, sob a acusação de receber propina em obras realizadas pelo governo do estado.

Segundo as investigações, o ex-governador chefiava um esquema de corrupção que cobrou propina de construtoras, lavou dinheiro e fraudou licitações em grandes obras no estado realizadas com recursos federais.

Veja também

Bolsonaro afaga China e agradece liberação de insumo para Coronavac
Vacina

Bolsonaro afaga China e agradece liberação de insumo para Coronavac

Governo é favorável à importação privada de vacinas, diz Bolsonaro
Vacina

Governo é favorável à importação privada de vacinas, diz Bolsonaro