Política

Cabral recorre ao Supremo para anular transferência para presídio em Curitiba

Ex-governador é réu em 20 processos e está preso preventivamente por acusações de corrupção

Ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio CarbralEx-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Carbral - Foto: Reprodução

A defesa do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral recorreu nesta sexta-feira (2) ao Supremo Tribunal Federal (STF) para anular decisão do juiz federal Sérgio Moro e manter o político carioca preso no sistema prisional do Rio de Janeiro. O caso é relatado pelo ministro Gilmar Mendes.

Leia também
STJ nega pedido de Cabral para retornar ao presídio de Benfica
Ex-governador Sérgio Cabral é denunciado pela 21ª vez na Lava Jato
MPF pede leilão urgente de bens bloqueados de Cabral e Adriana Ancelmo
Moro e juíza do Rio intimam PF sobre uso de algemas e correntes em Cabral


Os advogados também pretendem derrubar a decisão do juiz que determinou a transferência de Cabral para um presídio em Curitiba. Ao transferir o ex-governador para o Paraná, Moro atendeu a pedido do Ministério Público Federal (MPF), ante constatação de regalias ao ex-governador em um presídio no Rio de Janeiro. O ex-governador é réu em 20 processos e está preso preventivamente por acusações de corrupção.

No habeas corpus, a defesa de Cabral sustenta que o ex-governador não recebeu regalias na prisão. A defesa também lembrou que a Polícia Federal (PF) usou algemas nas mãos e nos pés do ex-governador durante a transferência.

“Se o paciente foi transferido do Rio de Janeiro sob o pretexto de que precisava ser tratado da mesma forma como os outros presos, em Curitiba aconteceu justamente o contrário. Não há notícia de um só preso (dos processos da Lava Jato ou de qualquer outro) a quem se tenha dispensado tratamento tão degradante como o que recebeu o ex-governador Sérgio Cabral em Curitiba”, disse a defesa.

Veja também

Crise da democracia eleva interesse da academia por Jair BolsonaroGoverno Federal

Crise da democracia eleva interesse da academia por Jair Bolsonaro

Moraes determina que Bolsonaro preste informações sobre suposta propaganda eleitoral antecipadaEleições 2022

Moraes determina que Bolsonaro preste informações sobre suposta propaganda eleitoral antecipada