Cacifando-se para disputar 2018

Em passagem por Recife, Bolsonaro afirmou que vai mudar de partido e voltou a declarar que pretende concorrer à Presidência da Republica

MST protesta contra ordem de prisão do ex-presidente Lula em rodovia de PernambucoMST protesta contra ordem de prisão do ex-presidente Lula em rodovia de Pernambuco - Foto: Divulgação/PRF

 

De passagem pela Capital pernambucana, onde participa de um encontro anual com o grupo da Academia Militar das Agulhas Negras e discute estratégias políticas pensando nas eleições presidenciais, o deputado federal Jair Bolsonaro (RJ) afirmou que sairá do PSC. A estratégia é trocar de legenda para se viabilizar na disputa à Presidência da República em 2018. O deputado vem demonstrando, abertamente, vontade de disputar o pleito e, ontem, deu o sinal mais claro ao admitir que buscará um partido maior.

 "Pretendo, sim, em março, sair. E tem muito partido correndo atrás", disse o deputado, após desembarcar no Recife, onde foi recepcionado por uma legião de fãs no Aeroporto Internacional Gilberto Freire.
Ele antecipou que aproveitará a "janela" que abrirá em 2018 para trocar de legenda. “Eu estava no PP, fui para PSC e estou desconfortável", disse Bolsonaro, sem detalhar os motivos do “desconforto”. Conforme o parlamentar carioca, com a aprovação da cláusula de barreira no Senado, na última quarta, alguns partidos vêm lhe cortejando.

"Tem partido igual aquele time que está correndo ali na zona do rebaixamento e quer se reforçar para não ser rebaixado. Com o que foi aprovado no Senado, apenas nove partidos sobreviveriam. Então, tem gente assediando. No momento eu sou a noiva bonita no Congresso”, disse. O deputado não antecipou qual a sigla que optará. No entanto, disse que buscará uma legenda que tenha tempo de televisão e cumpra com os acordos firmados. “Que tenha compromisso e honre. Obviamente, jamais partido de esquerda, que eu espero que eles cada vez mais percam espaço”, ironizou.
Trump
Após parabenizar a vitória do republicano Donald Trump, nas redes sociais, o social-cristão voltou a exaltar o republicano e disse que num eventual governo procurará parcerias com Trump. Otimista com uma possível disputa, Bolsonaro lembrou que o presidente eleito norte-americano foi eleito enfrentado "a mídia nacional esquerda" e as "pesquisas" de intenção de voto, que lhe colocaram atrás.
“A mídia nacional de esquerda jogou contra Trump. Perderam. As pesquisas jogaram contra Trump. Perderam. Em 2018, vão perder novamente”, disparou o parlamentar.
No Recife, o parlamentar também voltou a atacar o PT. Em coletiva de imprensa na sede da Associação dos Cabos e Soldados (ACS), Bolsonaro afirmou que “O PT, é bom ele acabar para o Brasil". "É que nem quando você pega uma doença, você tem que ficar livre dela o mais rápido possível. Nós não estamos imunes a tudo, mas você pode ver qual é a herança deles?”, ironizou.
Polêmica
Ainda durante a coletiva na Associação, o deputado voltou a provocar polêmica, ao responder uma pergunta feita por um jornalista. "Jair Bolsonaro é homofóbico?", questionou um repórter de um portal local. “Se fosse, não estaria dando entrevista para você", respondeu. Sua resposta repercutiu em todo o País. Na última quarta, Bolsonaro negou ao Conselho de Ética da Câmara ter usado expressões homofóbicas contra o também deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), que é homossexual.

 

Veja também

Indicado ao STF, Kassio Nunes é sabatinado no Senado
Política

Indicado ao STF, Kassio Nunes é sabatinado no Senado

Kassio defende independência entre Poderes em sabatina no Senado
TRF

Kassio defende independência entre Poderes em sabatina no Senado