Câmara aprova projeto que legaliza benefício tributário para igrejas

O projeto de lei convalida todos os incentivos concedidos unilateralmente pelos estados

Plenário da CâmaraPlenário da Câmara - Foto: José Cruz/Agência Brasil

O plenário da Câmara aprovou nesta quarta-feira (8) projeto de lei que reconhece e legaliza benefícios tributários concedidos a igrejas pelos estados, por meio da renúncia de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

Ainda é preciso votar os destaques do texto, que depois segue para o Senado.

O projeto de lei convalida todos os incentivos concedidos unilateralmente pelos estados. Pela legislação, ao conceder uma redução de ICMS, o estado tem que submeter essa decisão ao Confaz (conselho que reúne os secretários de fazenda dos 27 estados e Distrito Federal).

Leia também:
Bolsonaro nega criação de imposto para igrejas
Governo abre crédito suplementar para seis ministérios
Governo bloqueia R$ 5,8 bilhões do orçamento das Forças Armadas

Na prática, porém, os estados não cumprem essa exigência, praticando o que ficou conhecido como guerra fiscal. Sem a aprovação do Confaz, porém, os benefícios podem ser contestados.

O grande volume de incentivos acumulados virou uma fonte de insegurança jurídica para muitas empresas que usam dos benefícios. Em 2017, para resolver esse problema, o Congresso aprovou um projeto de lei que revalidou todos os incentivos fiscais concedidos ilegalmente pelos estados para o setor produtivo, fixando um prazo de validade.

Os benefícios concedidos a empresas do setor industrial receberam 15 anos de vigência. Para outros setores, como comércio, importação e agronegócio, o tempo de validade é menor e varia de três a oito anos.

Com o projeto aprovado nesta quarta, as igrejas ganham tratamento equivalente ao do setor industrial, o mais sensível a mudanças tributárias e, por isso, o que recebeu o maior prazo de adaptação.

Veja também

Vereador quer assistência psicológica nas escolas municipais do Recife
BLOG DA FOLHA

Vereador quer assistência psicológica nas escolas municipais do Recife

Mandatos coletivos avançam, mas ainda sob resistência; Juntas (PSOL-PE) é exemplo
Política

Mandatos coletivos avançam, mas ainda sob resistência; Juntas (PSOL-PE) é exemplo