Câmara aprova reforma trabalhista e texto segue para o Senado

Projeto foi aprovado com 296 votos favoráveis e 177 contrários; deputados aceitaram apenas uma sugestão de mudança ao texto e rejeitaram 16 destaques

Plenário da Câmara na votação da reforma trabalhistaPlenário da Câmara na votação da reforma trabalhista - Foto: Agência Câmara

Depois de mais de dez horas de sessão, o plenário da Câmara aprovou na noite desta quarta (26) o texto-base da reforma trabalhista, uma das prioridades legislativas do governo de Michel Temer e amplamente apoiada pelas entidades empresariais. Foram 296 votos a favor do relatório de Rogério Marinho (PSDB-RN) e 177 contra. Entre as mudanças está a prevalência, em alguns casos, de acordos entre patrões e empregados sobre a lei, o fim da obrigatoriedade da contribuição sindical, obstáculos ao ajuizamento de ações trabalhistas e limites a decisões do Tribunal Superior do Trabalho.

Dos 17 destaques apresentados com sugestões de alteração no texto, apenas uma foi aprovada. As demais acabaram sendo rejeitadas ou retiradas.

Apesar da vitória, o governo não conseguiu atingir mais de 308 votos, como queria, para sinalizar que tem votos suficientes para aprovar a reforma da Previdência. Por se tratar de emenda à Constituição, essa reforma precisa do apoio de pelo menos 60% dos congressistas.

Houve traições em partidos da base. O PSB do ministro Fernando Bezerra Filho e o Solidariedade, por exemplo, orientaram seus deputados a votar contra a reforma.
Até a 0h15, a Câmara ainda analisava emendas que poderiam alterar pontos importantes do texto. Depois, a reforma segue para o Senado.

Após a votação do texto-base, Michel Temer disse a líderes partidários que o resultado foi "muito satisfatório". A intenção do governo agora é localizar os traidores na base aliada e aumentar a ofensiva sobre eles, com ameaças de perdas de cargos em segundo e terceiro escalões e emendas parlamentares.

O principal argumento dos governistas é que a reforma dará fôlego ao empresariado para retomar investimentos e contratações. O relator promoveu algumas mudanças de última hora no texto. Entre elas, a multa a empresa que pagarem salários diferentes para homens e mulheres que desempenhem a mesma função e que tenham o mesmo tempo de serviço no mesmo cargo.

A proposta, que entrou no texto por pressão da bancada feminina, enumera, porém, condições para que seja caracterizada a discriminação, entre elas produtividade e perfeição técnica.

Marinho também mudou a regra sobre o trabalho de gestantes e lactantes em locais insalubres. Agora, trabalhadoras em locais de grau baixo ou médio de insalubridade terão que recorrer a atestado médico para serem dispensadas do trabalho.

A votação foi marcada, mais uma vez, pelo embate entre governo e oposição, que patrocinou vários protestos. Portando cartazes contra o projeto e caixões com a inscrição "CLT", deputados do PT, PC do B e PSOL, entre outros, subiram à Mesa do plenário e, por alguns minutos, conseguiram interromper a leitura do relatório de Marinho. Luiza Erundina (PSOL) chegou a gritar "não a essa desgraça de reforma".

Um dia de suor

"São as tabuletas da mentira, carregando bandeiras da inverdade. Estamos dando a todos os trabalhadores aumento relativo a um dia de trabalho, um dia de suor", rebateu José Carlos Aleluia (DEM-BA), se referindo ao fim do imposto sindical.

"É um dia histórico, daqui a 20, 30, 40 anos nós todos seremos lembrados como parlamentares inteligentes, estudiosos e sensíveis", discursou o governista Darcisio Perondi (PMDB-RS).

O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira (PTB-RS), reassumiu o mandato para votar a favor da reforma. Em discurso, apelou aos deputados para votar "não pensando nas próximas eleições, mas nas próximas gerações".

Leia mais
Reforma trabalhista: confira como votaram os deputados federais
Veja o que mudou na reforma trabalhista aprovada na Câmara
Temer agradece aliados após aprovação da reforma trabalhista

Veja também

Simone Tebet tenta repetir 'Renan não!', mas com senador alagoano como aliado
Eleição do Senado

Simone Tebet tenta repetir 'Renan não!', mas com senador alagoano como aliado

De leite condensado a chicletes: compras de itens estranhos pelo governo Bolsonaro chamam atenção
Gastos Públicos

De leite condensado a chicletes: compras de itens estranhos pelo governo Bolsonaro chamam atenção