Política

Câmara do Recife vai decidir quem comandará Comissão dos Direitos Humanos

Nomes credenciados até o momento para a postulação são os dos vereadores Michele Collins e Ivan Moraes Filho

A audiência pública foi uma solicitação do vereador Ivan Moraes (PSOL)A audiência pública foi uma solicitação do vereador Ivan Moraes (PSOL) - Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

A pouco menos de uma semana para a volta dos trabalhos na Câmara do Recife, a disputa pela presidência das comissões já começa a movimentar os bastidores do Legislativo municipal. Após o acirramento para a vaga de comando da Casa, com nomes declinando em torno de um projeto unificado da base, a bola da vez é a Comissão dos Direitos Humanos e os nomes credenciados até o momento para a postulação são os dos vereadores Michele Collins (PP) e Ivan Moraes Filho (PSOL).

Nos bastidores, ao que tudo indica, o governo caminhará para sacramentar a pepesista para ficar à frente da comissão, um dos principais colegiados e alvo de polêmica na última legislatura. Apesar de ser uma decisão da mesa diretora, o chefe do Executivo exerce poder sobre as indicações.

Embora nos bastidores não haja sinalização clara da PCR em torno de um apoio, a vereadora já deu uma sinalização no começo do ano, o que pressupõe o seu retorno ao cargo. Declinou da primeira vice-presidência para aparar as arestas na base aliada, levando o governista Carlos Gueiros (PSB) ao posto.

O que se espera agora, dizem aliados de Collins, é a reciprocidade, o que a conduziria ao segundo mandato na comissão. Mas o ponto de divergência entre integrantes do governo é o pensamento conservador da aliada. No mandato anterior, Collins chamou atenção por posições polêmicas. São dela as declarações de que a mulher tem que ser submissa ao homem. Que a família está em perigo com o casamento gay. Por isso, o entendimento é que a disputa não será com folga.

O nome do estreante e oposicionista Ivan Moraes Filho tem soado bem aos ouvidos de integrantes da oposição e governo. Ele, por sua vez, não esconde o interesse de comandar o colegiado. Nos bastidores, já vem construindo pontes e procurando aliados. Integrantes do governo, em reserva, demonstram apreço pelo nome do parlamentar, embora esteja no campo oposto. Em encontro recente com o presidente da Câmara, Eduardo Marques (PSB), Ivan informou seu desejo de integrar o colegiado na ponta. A estratégia da nova oposição que se desenha é ocupar as principais comissões da Casa para elevar o debate. Dessa forma, os focos são as comissões de Legislação e Justiça, Finanças e Orçamento, além dos Direitos Humanos.

Disputa à parte, a vereadora Ana Lúcia (PRB) defende o bom senso de quem for presidir. "A pessoa que estiver à frente da comissão terá que ter uma visão de respeito à diversidade independente de crença ou opção sexual", pontua. "Tem gerado polêmica no passado e vai continuar gerando. Por isso, o vereador tem que ter o equilíbrio para quem vai presidir. Tem que ser neutro às causas polêmicas", defende o vereador Ricardo Cruz (PPS).

Duas visões de sociedade
A disputa entre os dois parlamentares pelo comando da Comissão de DireitosHumanos da Casa José Mariano transpassa interesses próprios. Está vinculada aos movimentos sociais e à igreja evangélica. Enquanto a igreja exerce grande peso e importância sobre o mandato de Michele Collins,  Ivan Moraes tem como credencial o apoio de diversas entidades ligadas aos direitos humanos, como o Grupo Mulher Maravilha, Frente de Luta pelo Transporte Público, Movimento Negro Unificado, entre outros. Esses grupos, por sinal, protocolarão, hoje, uma Carta Aberta à Mesa Diretora da Casa pedindo o aliado no comando da comissão.

O movimento tem intenção de pressionar o presidente da Câmara, Eduardo Marques (PSB), que também é evangélico, a atender o pleito. Mas não há garantias para a indicação, que é monocrática. "O Mandato do vereador Ivan Moraes, do Psol, é o resultado de uma construção coletiva, que em grande parte foi alicerçada por organizações e entidades militantes e defensoras dos Direitos Humanos. O nome de Ivan Moraes surgiu a partir de sua história pessoal, sua militância de mais de 15 anos no segmento dos Direitos Humanos e da democratização da Comunicação", assinalam as entidades na carta aberta.

Já a missionária tem um his­tórico de luta no combate às drogas através das casas terapêuticas e do exercício da religião. Responsável pela criação da Frente Parlamentar em Defesa da Família e da Vida e integrante da Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas, Collins, no entanto, nega que queira assumir o comando do colegiado - principal nos tempos modernos e de luta pela manutenção dos direitos adquiridos - para implementar agenda conservadora. Mas o seu laço com os mais de 15 mil votos evangélicos - que lhe levaram a desistir da disputada vaga na mesa para ter apoio na comissão - colocam em evidência os seus passos à frente da comissão.

Veja também

PF conclui que Milton Ribeiro não cometeu crime em disparo de arma de fogo no aeroporto
Política

PF conclui que Milton Ribeiro não cometeu crime em disparo de arma

Colômbia está diante de guinada histórica para a esquerda
Mundo

Colômbia está diante de guinada histórica para a esquerda