Câmara do Rio começa a discutir impeachment de Crivella

Em reunião no Palácio da Cidade, Crivella ofereceu a líderes religiosos ajuda para realização de cirurgias de catarata e varizes, pelo SUS e isenção de IPTU a igrejas evangélicas

Prefeito do Rio, Marcelo CrivellaPrefeito do Rio, Marcelo Crivella - Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

A Câmara Municipal do Rio de Janeiro suspendeu extraordinariamente o recesso e discute, a partir desta quarta-feira (11), o futuro do prefeito da capital, Marcelo Crivella (PRB). Dezessete vereadores de oito partidos de oposição conseguiram interromper o recesso para por em discussão e votação o processo de impeachment de Crivella. A votação deve ocorrer na quinta-feira (12). Desde a terça-feira (10), Crivella vive dias decisivos. A batalha começou com os pedidos de impeachment contra o prefeito, que governa o Rio há um ano e meio. Os vereadores querem debater a conduta dele.

Em reunião no Palácio da Cidade, na semana passada, Crivella ofereceu a líderes religiosos ajuda para realização de cirurgias de catarata e varizes, pelo Sistema Único de Saúde (SUS), para os fieis. O prefeito também indicou a possibilidade de colaborar com os religiosos para a obtenção de isenção legal de pagamento do Imposto Predial Territorial Urbano ( IPTU) para seus templos.

Leia também:
Oposição no Rio pede impeachment de Crivella
Oposição a Crivella consegue assinaturas, e Câmara analisará impeachment


   Mobilização

A bancada de oposição está confiante na mobilização popular para lotar as galerias da Câmara e, assim, pressionar vereadores indecisos, que possam estar descontentes com a condução de Crivella. A aprovação do impeachment depende de 34 votos favoráveis para iniciar o processo. Os parlamentares da base de Crivella classificam a iniciativa de eleitoreira e garantem que ela será derrotada por ampla margem de votos.

Segundo os oposicionistas, o “pecado” de Crivella foi ter realizado um encontro, no último dia 4, com fiéis evangélicos dentro do Palácio da Cidade, uma das sedes oficiais da prefeitura. Há gravações de áudio e vídeo com registros de que o prefeito ofereceu vantagens como cirurgias de catarata, varizes, vasectomia e até mesmo a isenção de IPTU para igrejas evangélicas.

   Volúvel

“A base aliada do prefeito é muito volúvel. Ele não tem uma base orgânica, como o [ex] prefeito Eduardo Paes tinha, de 18 vereadores. O Crivella foi eleito com apenas três vereadores de seu partido. Então, a composição de maioria na Câmara depende sempre de muita negociação”, disse o vereador Renato Cinco (PSOL).

Porém, o líder da bancada governista, vereador Dr. Jairinho (MDB), sustenta que tudo aconteceu dentro da normalidade, e que não representa motivo sério para o impeachment de Crivella. “Não tem motivação para impeachment. Isso é um processo eleitoreiro. Estão querendo fazer um palanque político. Ninguém viu motivação grave para isso. Estamos passando por um momento tão difícil no Brasil, aí o cara faz uma reunião para poder orientar, e vai tomar o impeachment? Não é razoável”, assegurou Jairinho.

Veja também

DEM expulsa Rodrigo Maia, que chama presidente do partido de 'Torquemada Neto'
Política

DEM expulsa Rodrigo Maia, que chama presidente do partido de 'Torquemada Neto'

Bolsonaristas reclamam de perda de seguidores no Twitter, que diz verificar contas suspeitas
Internet

Bolsonaristas reclamam de perda de seguidores no Twitter, que diz verificar contas suspeitas