Campanha de arrecadação pró-Lula atinge metade da meta

Verba será destinada às atividades da mobilização "Por um Brasil justo para todos e para Lula"

Lei é de autoria do vereador do Recife Samuel Salazar (sem partido)Lei é de autoria do vereador do Recife Samuel Salazar (sem partido) - Foto: Divulgação

Uma campanha de financiamento coletivo lançada com o objetivo de ajudar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva atingiu pouco mais da metade da meta. Foram arrecadados por meio do site Catarse R$ 270 mil dos R$ 500 mil pretendidos.

A verba será destinada às atividades da mobilização "Por um Brasil justo para todos e para Lula", que se dedica à defesa midiática do ex-presidente, durante o primeiro semestre de 2017.

A página no Catarse cita como um dos objetivos o rompimento do "cerco jurídico-midiático, fortalecendo o papel da blogosfera".

"Nós sabemos que a perseguição a Lula e aos militantes sociais é no fundo uma perseguição ao nosso projeto, é uma perseguição aos pobres", disse Gilberto Carvalho, ex-ministro de Lula, no vídeo da campanha.

O líder do MTST, Guilherme Boulos, o coordenador do MST, João Pedro Stédile, o escritor Fernando Morais e a ex-ministra Eleonora Menicucci, além de atores e artistas, integram o movimento.

No primeiro ato realizado pelo grupo, Lula se disse alvo de um "pacto diabólico" orquestrado pelos responsáveis pela Lava Jato. Ele responde a cinco ações penais no âmbito da operação.

De acordo com o Catarse, 20% da verba arrecadada irá para a realização de eventos, 40% para comunicação, 5% para produção e distribuição de materiais e 5% para ações internacionais. A página detalha ainda que 10% irá para "administração" e que os custos do financiamento correspondem a 20%.

A arrecadação foi feita entre os dias 7 e 24 de dezembro e contou com a contribuição de 2.381 pessoas, sendo que a maioria, 596, eram de São Paulo. Os outros Estados que mais doaram foram Rio de Janeiro, com 301 contribuintes, e Distrito Federal, com 256. Não foram feitas contribuições de empresas ou doações anônimas.

Veja também

Bolsonaro diz que China liberou insumos para produção da Coronavac no Brasil
Vacina

Bolsonaro diz que China liberou insumos para produção da Coronavac no Brasil

Jair Bolsonaro vê pressão subir e queda de apoio popular
PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Jair Bolsonaro vê pressão subir e queda de apoio popular