câmara

Candidato à sucessão de Lira, Marcos Pereira vira alvo de bolsonaristas por defender regulamentação

Reação ocorre após o presidente do Republicanos ter se dito favorável à aprovação do PL das Redes Sociais

O deputado Marcos Pereira, presidente do Republicanos, durante sessão na Câmara O deputado Marcos Pereira, presidente do Republicanos, durante sessão na Câmara  - Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados/

O presidente nacional do Republicanos e candidato à sucessão de Arthur Lira (PP-AL) na presidência da Câmara dos Deputados, Marcos Pereira, se tornou alvo de parlamentares bolsonaristas após defender a aprovação do PL das Redes Sociais, hoje em tramitação na Casa. Em evento Lide em Nova York, nos Estados Unidos, Pereira se disse comprometido com a pauta.

"O Parlamento é o guardião da democracia, da segurança jurídica e do ambiente de negócios. Hoje, como primeiro vice-presidente da Câmara, sigo comprometido para que as propostas em apreciação possam ser aprovadas, como a regulamentação da inteligência artificial e das redes sociais, para combater fake news" afirmou na terça-feira (14).

A declaração gerou forte reação entre parlamentares que integram o partido do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Em audiência na própria terça-feira, Gilvan da Federal (ES), chamou o presidente do Republicanos de "capacho do Lula".

"Eu não voto em capacho desse Lula. Deputado Marcos Pereira, sou dputado novato, mas o senhor não tem meu voto" afirmou.

Nas redes sociais, o posicionamento ganhou força e Júlia Zanatta (SC) declarou que quem apoia o projeto, "não pode ser presidente da Câmara". Outros deputados como Luiz Philippe de Orleans e Bragança (SP) e Gustavo Gayer (GO) fizeram posicionamentos semelhantes.

"Líder do Republicanos é favorável a um PL que aumenta impostos e ainda financia pautas como ideologia de gênero, aborto e todo o resto da esquerda. Quem votar a favor desse PL não poderá ser presidente da casa" disse Gayer.

Com a maior bancada da Câmara, o PL ainda não definiu qual será seu comportamento nas eleições para a Presidência da Câmara, que ocorre no ano que vem. Nos bastidores, o partido tem conversas com Elmar Nascimento (União Brasil-BA), mas também pode vir a ter candidatura própria na figura do líder da bancada, Altineu Côrtes (RJ)

Além de Pereira e Nascimento, Antonio Brito (PSD-BA) e Isnaldo Bulhões (MDB-AL) também já se colocam na disputa pela sucessão de Arthur Lira.

Rejeição entre evangélicos
Além do PL das Redes Sociais, o líder do Republicanos tem um impasse com a bancada evangélica. Isto porque Marcos Pereira é bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, enquanto a maior parte da ala é composta por representantes da Assembleia de Deus. Historicamente, as duas vertentes protestantes caminham em lados opostos e, inclusive, competem entre si.

Fundada nos anos 1970, a Universal tem uma postura mais disruptiva com os fiéis. Enquanto os assembleianos seguem uma doutrina mais rígida que se reflete até mesmo na vestimenta, a igreja de Edir Macedo rompeu com tabus cristãos e hoje tem cultos que tratam sobre temas como o uso de preservativo e relações sexuais.

Tal diferenciação inclusive se refletiu no apoio ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). De um lado, a Assembleia de Deus mergulhou fundo no governo do ex-mandatário, enquanto integrantes do Republicanos, partido que foi fundado pela Universal, faziam críticas públicas à gestão.

Ao GLOBO, o segundo vice-presidente da Câmara e ex-presidente da bancada, o assembleiano Sóstenes Cavalcante (PL-RJ) disse que o colega de Casa 'queimou a largada' ao se colocar na disputa e indicou preferência por um nome do PP na sucessão de Lira.

— Entendo que nós do PL deveríamos buscar um candidato do Centro, se possível do partido do presidente Arthur Lira. Republicanos queimou a largada, cedo demais, mas nada pessoal com Marcos Pereira — disse o parlamentar.

Veja também

PL veta apoio de bolsonaristas a candidatos de outros partidos e proíbe manifestações em redes
Política

PL veta apoio de bolsonaristas a candidatos de outros partidos e proíbe manifestações em redes

Deputado do PT apresenta projeto que retira gastos com mudanças climáticas da meta fiscal
Política

Deputado do PT apresenta projeto que retira gastos com mudanças climáticas da meta fiscal

Newsletter