Carlos Sampaio é escolhido novo presidente do PSDB

Aécio foi afastado do cargo de senador pelo Supremo Tribunal Federal na manhã desta quinta-feira (18)

Carlos Sampaio é escolhido como novo presidente do PSDBCarlos Sampaio é escolhido como novo presidente do PSDB - Foto: Divulgação/ PSDB

O deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP) foi escolhido como novo presidente do PSDB, cargo que era ocupado por Aécio Neves.

Aécio foi afastado do cargo de senador pelo Supremo Tribunal Federal na manhã desta quinta-feira (18), após ser acusado de receber R$ 2 milhões do empresário Joesley Batista, do grupo J&F.

O advogado de Aécio, José Eduardo Alckmin, disse que o dinheiro se refere a um empréstimo pessoal.

Afastamento
O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu afastar Aécio Neves do cargo de senador. Os ministros do tribunal também vão julgar um pedido de prisão feito contra ele pela Procuradoria-Geral da República.

Aécio foi citado e flagrado em delação premiada dos donos do frigorífico JBS, Joesley e Wesley Batista. Ele teria sido gravado pedindo R$ 2 milhões aos empresários para pagar sua defesa na Operação Lava Jato.

A irmã do senador, Andrea Neves, e o primo, Frederico Pacheco de Medeiros, foram presos. Segundo as investigações, Medeiros recebeu o dinheiro que o empresário Joesley Batista direcionou a Aécio.

A Procuradoria pediu a prisão de Aécio, mas o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato, encaminhou o caso para deliberação do plenário do STF. Na decisão de Fachin, o ministro determinou ainda que ele não mantenha contato com outros investigados e o proibiu de deixar o país.

Policiais federais chegaram às 6h na casa de Aécio em Brasília, que fica no Lago Sul, uma das regiões mais nobres da cidade. Residências de Aécio em Brasília, Rio e Belo Horizonte foram alvo de busca e apreensão.

Veja também

De volta à prefeitura de Belém, Gustavo Caribé esbanja disposição
Carlos Britto

De volta à prefeitura de Belém, Gustavo Caribé esbanja disposição

Marília Arraes defende unidade oposicionista em 2022
Edmar Lyra

Marília Arraes defende unidade oposicionista em 2022