Embu das artes

Carta de foragido é lida na cerimônia de posse

Em seu lugar, assumiu temporariamente o vereador Hugo Prado (PSB), que foi eleito presidente da Câmara Municipal e cujo partido faz parte da coligação de Santos.

libraslibras - Foto: Divulgação

 

SÃO PAULO (Folhapress) - Considerado foragido desde o último dia 9, o prefeito eleito de Embu das Artes (Grande SP), Ney Santos (PRB), não pôde tomar posse ontem e enviou uma carta para ser lida durante a cerimônia. Em seu lugar, assumiu temporariamente o vereador Hugo Prado (PSB), que foi eleito presidente da Câmara Municipal e cujo partido faz parte da coligação de Santos.
O prefeito eleito teve a prisão preventiva decretada pela Justiça sob suspeita de lavar dinheiro para a facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), por meio de postos de combustível. De acordo com o Ministério Público de São Paulo, Santos usou em sua campanha recursos "oriundos do tráfico de entorpecentes".
No último dia 15, a Justiça Eleitoral de São Paulo suspendeu, em decisão liminar (provisória), a diplomação de Santos. A posse de Santos e seu vice também foi suspensa temporariamente até que sejam apuradas as suspeitas sobre a origem do dinheiro usado na campanha.
"Hoje é um dia em que os meus sentimentos se dividem entre dor e alegria. A dor de não poder tomar posse, ao lado do vice Peter Calderoni (PMDB), para o cargo ao qual fomos eleitos”, diz a carta.

 

Veja também

Rede pede que Bolsonaro seja multado em R$ 500 mil sempre que falar em fraude eleitoral
POLÍTICA

Rede pede que Bolsonaro seja multado em R$ 500 mil sempre que falar em fraude eleitoral

Especialistas veem possível crime de responsabilidade e improbidade de Bolsonaro em live
Voto impresso

Especialistas veem possível crime de responsabilidade e improbidade de Bolsonaro em live