Política

Cartórios devem informar óbitos em até 24 horas, diz Bolsonaro

Antes, esse prazo era de 40 dias onde e pelo lapso de tempo, o falecido tinha depositado em sua conta mais dois salários

A mudança foi promovida pela nova lei de combate a fraudes previdenciáriasA mudança foi promovida pela nova lei de combate a fraudes previdenciárias - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro usou sua conta na rede social Twitter para destacar uma das mudanças promovidas pela nova lei de combate a fraudes previdenciárias, sancionada na última terça-feira (18).

"Na Lei 13.846/19 (Combate à Fraude), os cartórios devem informar a relação de óbitos até 24 horas após seu registro. Antes, esse prazo era de 40 dias onde, pelo lapso de tempo, o falecido tinha depositado em sua conta mais dois salários", tuitou. Segundo o presidente, a economia prevista apenas com essa medida será de R$ 1,7 bilhão ao ano. A lei também obriga os bancos a devolverem valores referentes a benefícios depositados após o óbito do beneficiário.

Leia também:
Ministro do STF suspende medida de Bolsonaro sobre demarcação de terra indígena
Projetos no Congresso destravam mais de uma Previdência em investimentos
CNI: reforma da Previdência abrirá caminho para reduzir juros

Legislação
A nova legislação é resultado da Medida Provisória 871, aprovada pelo Congresso Nacional no último dia 3 de junho. O texto cria um programa de revisão de benefícios com indícios de irregularidades e autoriza o pagamento de um bônus a servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para cada processo analisado fora do horário de trabalho.

A proposta prevê ainda a criação de um cadastro para o trabalhador rural feito pelo governo e não mais por sindicatos. O texto cita também o endurecimento de regras do auxílio-reclusão e da pensão por morte. O governo avalia que a medida vai gerar economiza de R$ 9,8 bilhões com a revisão de 5,5 milhões de benefícios previdenciários. Estão no alvo indícios de irregularidades em auxílios-doença, aposentadorias por invalidez e Benefícios de Prestação Continuada (BPC).

Veja também

"Parece posição do Kama Sutra", diz Barroso ao pedir uso de linguagem mais simples pelo Judiciário
BRASIL

"Parece posição do Kama Sutra", diz Barroso ao pedir uso de linguagem mais simples pelo Judiciário

Lula se reúne com Pacheco e líderes do Senado nesta terça em meio a queixas da base por desprestígio
BRASIL

Lula se reúne com Pacheco e líderes do Senado nesta terça em meio a queixas da base por desprestígio