CCJ da Câmara aprova convite para ouvir Janot

Comissão quer que ex-procurador fale sobre sua atuação na Lava Jato

Ex-procurador-geral da República Rodrigo JanotEx-procurador-geral da República Rodrigo Janot - Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (2) convite para o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot falar sobre sua atuação à frente da Operação Lava Jato e sobre sua declaração de que teria ido ao Supremo Tribunal Federal (STF) armado para matar o ministro da Corte Gilmar Mendes.

Na semana passada, Janot disse, em entrevista a diversos veículos de comunicação, que chegou a ir armado com um revólver ao Supremo com a intenção de assassinar o ministro Gilmar Mendes e depois se suicidar.

Os dois protagonizaram um longo embate enquanto Janot chefiou a Procuradoria-Geral da República, entre 2013 e 2017, com trocas constantes de críticas públicas. Rodrigo Janot disse ter, porém, chegado ao limite em 2017 quando o ministro envolveu sua filha em uma das pendengas.

Leia também:
Membros de órgão de controle do Ministério Público estudam investigar Janot
Atitude de Janot é inaceitável, diz novo procurador-geral
Livro de Janot traz relatos incoerentes sobre acerto de contas com desafetos 

O episódio é narrado por Janot no livro que na lançou semana passada, Nada Menos que Tudo, porém sem citar o nome de Gilmar Mendes. O ex-procurador-geral, entretanto, resolveu revelar a veículos de comunicação a quem se referia.

O deputado Delegado Pablo (PSL-AM), autor do requerimento, disse que fez o convite para discutir as declarações de Janot o ex-procurador-geral sobre sua atuação na Lava Jato. “A intenção é trazer luz para o tema que ele falou para a mídia que, durante a Lava Jato, foi, por várias autoridades daquele tempo, atrapalhado, colocado contra a parede, para que as investigações não andassem”, disse o deputado.

“Se ele falou isso em um livro, ou para vários meios de comunicação, essa casa do povo [Câmara] é o lugar correto para as explicações. E [para que] a gente veja se há mais fatos a serem apurados”, acrescentou o parlamentar.

O requerimento também prevê o convite para compareçam à comissão o então ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e o chefe de gabinete de Janot na ocasião, Eduardo Pelella.

Veja também

Justiça Federal manda soltar acusados de invadir celular de Moro
justiça

Justiça Federal manda soltar acusados de invadir celular de Moro

Confira as palavras mais citadas pelos candidatos a prefeito do Recife em seus programas de governo
Eleições 2020

Confira as palavras mais citadas pelos candidatos a prefeito do Recife em seus programas de governo