CCJ do Senado vota PEC dos Fundos na próxima quarta-feira (19)

Com alterações no texto original, relator apresenta parecer nesta terça-feira (12)

CCJCCJ - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O senador Otto Alencar (PSD-BA), apresentou nesta quarta-feira (12) à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado relatório favorável à PEC dos Fundos (187/2019). O texto da proposta de emenda à Constituição recebeu 33 emendas na CCJ, e quatro foram acolhidas total ou parcialmente pelo relator. Após um pedido de vista coletiva, ou seja, de mais tempo para os senadores analisarem a matéria, a votação do texto ficou para a próxima quarta-feira (19).

A proposta original, que preserva apenas os fundos previstos nas Constituições e Leis Orgânicas dos estados, do Distrito Federal e municípios, sofreu alterações. O relator decidiu assegurar a permanência de fundos que, embora tenham sido criados por lei federal, recebem receitas vinculadas definidas no texto constitucional.

É o caso do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e dos fundos constitucionais de Financiamento do Nordeste, Norte e Centro-Oeste (FNE, FNO e FCO). Segundo o parecer, a redação da PEC foi modificada para evitar dúvidas em relação à preservação de tais fundos e explicitar que não serão extintos os "fundos criados para operacionalizar vinculações de receitas determinadas no texto constitucional.

Leia também:
No Senado, CCJ vai priorizar propostas do Plano Mais Brasil
CCJ confirma aprovação de PL da prisão após condenação em 2ª instância
CCJ do Senado aprova PEC Paralela da Previdência 

Outra mudança sugerida por Alencar deixa claro quem tem autonomia para apresentar o projeto de lei complementar para ratificar a permanência dos fundos públicos. A medida cabe tanto ao chefe do Executivo, nos planos federal, estadual e municipal, quanto a parlamentares (senadores, deputados federais, estaduais e distritais e vereadores).

De acordo com o texto original, serão extintos os fundos não ratificados até o fim do segundo ano subsequente à promulgação da emenda à Constituição. Por causa de uma emenda do senador Eduardo Braga (MDB-AM), parte das receitas desvinculadas pode ser destinada a projetos e programas voltados à erradicação da pobreza. Nesse sentido, terão prioridade a implantação e conclusão de rodovias e ferrovias, a interiorização de gás natural produzido no Brasil, a revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco e a segurança pública.

Superávit
Senadores também apresentaram, sem sucesso, emendas para que o superávit financeiro dos fundos públicos – estimado em R$ 219 bilhões – fosse destinado a áreas como assistência social, saúde, educação e infraestrutura. Ao rejeitar as propostas, Otto Alencar justificou que superávits não são receitas públicas e que o uso do dinheiro para outra finalidade que não a amortização implicaria a elevação da dívida pública.

Apesar disso, foi aceita uma emenda da senadora Simone Tebet (MDB-MS) que destina parte das receitas desvinculadas a projetos voltados à segurança de regiões de fronteira.

Na semana passada, na primeira reunião da CCJ neste ano, a senadora, que preside o colegiado, definiu como prioritárias em fevereiro e março a PEC do Plano Mais Brasil, a PEC Emergencial e a PEC do Pacto Federativo, além da PEC dos Fundo.

Veja também

Bolsonaro diz que, se reeleito, indicará mais dois evangélicos para o STFEleições 2022

Bolsonaro diz que, se reeleito, indicará mais dois evangélicos para o STF

PF teme uso eleitoral de inquérito com acusações de Moro contra BolsonaroBrasil

PF teme uso eleitoral de inquérito com acusações de Moro contra Bolsonaro