STF

Celso de Mello prorroga inquérito que apura suposta interferência na PF por Bolsonaro

Ministro aceitou pedido de prorrogação feito pela PF e informou que o prazo é necessário para realização de diligências investigatórias pendentes

Celso de MelloCelso de Mello - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), prorrogou por mais 30 dias o inquérito aberto pela Polícia Federal (PF) para apurar a suposta interferência política na corporação cometida pelo presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) e o possível crime de denunciação caluniosa por parte do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro. 

Na decisão, o ministro aceitou pedido de prorrogação feito pela PF e informou que o prazo é necessário para realização de diligências investigatórias pendentes e outras que sejam eventualmente necessárias. É a segunda prorrogação do inquérito autorizada pelo ministro. A investigação foi aberta no dia 27 de abril. 

Em manifestações divulgadas desde a abertura do inquérito, o presidente Jair Bolsonaro nega que tenha pedido para o então ministro interferir em investigações da PF.
 

"Nunca interferi nos trabalhos da Polícia Federal. São levianas todas as afirmações em sentido contrário. Os depoimentos de inúmeros delegados federais ouvidos confirmam que nunca solicitei informações a qualquer um deles", disse em nota publicada em 25 de maio. 

Veja também

"Acho perigoso chamar críticos de detratores", diz jornalista pernambucano citado em lista polêmica
Governo Federal

"Acho perigoso chamar críticos de detratores", diz jornalista pernambucano citado em lista polêmica

Humberto elogia campanha de Marília e diz que urnas colocaram PT como oposição a João Campos
PT x PSB

Humberto elogia campanha de Marília e diz que urnas colocaram PT como oposição a João Campos