Ministério do Turismo

Celso Sabino, cotado para o Ministério do Turismo, distribuiu R$ 27,2 milhões do orçamento secreto

Aliado do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o deputado foi um dos 30 parlamentares que mais indicou emendas no ano passado

O deputado federal Celso Sabino (União-PA) é cotado para assumir o Ministério do TurismoO deputado federal Celso Sabino (União-PA) é cotado para assumir o Ministério do Turismo - Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Cotado para assumir o Ministério do Turismo do governo Lula, o deputado Celso Sabino (União-PA) foi beneficiado com R$ 27,2 milhões de verbas do orçamento secreto em 2022, último ano de gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro, de quem era aliado.

No ano passado, Sabino esteve entre os 30 parlamentares federais que mais indicaram recursos de orçamento secreto, R$ 54,1 milhões — R$ 9 milhões a mais que o indicado por Daniela Carneiro (União-RJ), atual titular da pasta.

Entre as justificativas apresentadas na rubrica, estão o custeio de atenção básica em saúde, uma das aplicações de recursos do Fundo Nacional de Saúde, e de assistência social.

Já a prefeituras comandadas pelo MDB, partido que comanda o estado e ao qual se aliou para as eleições a deputado federal em 2022, foram indicados R$ 7,9 milhões ao longo do ano passado. O aceno contemplou 12 cidades, principalmente destinados por meio do FNS e do Fundo Nacional de Assistência Social, mas também diretamente via Ministério da Cidadania.

Já ao PSDB, partido do qual fez parte até entrar em atrito com o diretório nacional, em 2021, o parlamentar do União Brasil destinou R$ 7,75 milhões a Executivos municipais chefiado por tucanos — Dom Eliseu, Bragança, Jacareacanga e Medicilândia.

Durante o ano passado, o parlamentar paraense, que não escondeu a proximidade com Bolsonaro, conforme O Globo mostrou na última quinta-feira, destinou R$ 5,2 milhões a prefeituras do Pará comandadas pelo PL, partido de Bolsonaro.

Através de emendas de relator, repassar verba para as prefeituras de Xingura, Maracanã, Jacundá, Abel Figueiredo e Trairão, no interior do estado. Nos redutos comandados por correligionários do ex-presidente, a destinação foi através do Fundo Nacional de Saúde e do Fundo Nacional de Assistência Social — estratégia adotada pelos parlamentares para, através da aplicação direta, dificultar o rastreamento do dinheiro.

Além do MDB e do PL, Sabino usou emendas de relator para agraciar prefeituras comandadas por prefeitos de PSD (R$ 2,75 milhões), Solidariedade (R$ 1,825 milhão), Avante (R$ 750 mil), PSB (R$ 580 mil) e PP (R$ 500 mil).

Ao Globo, a assessoria de Sabino informou que o parlamentar tem se empenhado para levar “infraestrutura, saúde, educação e políticas públicas diversas para o Pará” e que todas as indicações feitas foram para obras e serviços que “se sujeitam à análise de conformidade dos ministérios e dos órgãos de controle, como tribunais de contas, CGU e Ministério Público”.

Fundo Nacional de Saúde turbinado
Muito visado por parlamentares na hora de repassar emendas do orçamento secreto, o Fundo Nacional de Saúde também foi a “menina dos olhos” de Sabino em indicações e empenho de recursos — unidades do órgão federal em municípios do Pará receberam R$ 18,3 milhões via RP-9, a rubrica do orçamento secreto, em 2022.

Conforme O Globo mostrou em 2022, parlamentares aproveitaram o espaço do orçamento secreto para turbinar o órgão nos estados. Em 2021, boa parte dos R$ 7,4 bilhões destinados a emendas de relator foram para o FNS — a quantidade de emendas que irriga o fundo cresceu 112% entre 2019 e 2021.

O pagamento é feito através de “transferência fundo a fundo”, o que na prática facilitaria o repasse com baixa transparência, porque o recurso não iria diretamente para a prefeitura agraciada, mas direto pelo fundo. Naquele ano, o Pará recebeu R$ 470,1 milhões em recursos do orçamento secreto por meio do FNS.

R$ 54 milhões em indicações
Aliado do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), Sabino chegou a indicar R$ 54,1 milhões em emendas de orçamento secreto no ano passado, o 26º parlamentar da última legislatura que mais orientou manejo de recursos. A quantia indicada por cada parlamentar, porém, não necessariamente vai se converter em valor disponível para aplicação, porque dependia do aval do relator do orçamento naquele ano. É o que mostra levantamento do GLOBO com base em informações disponíveis no portal da Câmara dos Deputados.

Durante 2022, o deputado paraense indicou mais que importantes nomes do Centrão, como o senador Renan Calheiros (MDB-AL), que orientou o uso de R$ 50 milhões; o deputado Altineu Côrtes (PL-RJ), que preside o diretório estadual da legenda de Bolsonaro no Rio de Janeiro, que indicou R$ 30,8 milhões; e mais que o valor indicado pela atual ministra do Turismo, a deputada Daniela Carneiro (União-RJ), com R$ 43,7 milhões indicados no ano passado.

Veja também

Lira diz que em dois dias Câmara 'já serenou um pouco'
DECORO

Lira diz que em dois dias Câmara 'já serenou um pouco'

97% discordam totalmente da PL 1904, segundo enquete da Câmara
VOTAÇÃO

97% discordam totalmente da PL 1904, segundo enquete da Câmara

Newsletter