Protestos

Centrais sindicais farão 'esquenta' nesta sexta (18) para manifestações nacionais contra Bolsonaro

As centrais pretendem promover assembleias em locais de trabalho, atividades de panfletagem e paralisações

Protesto contra o governo Bolsonaro na avenida Paulista, em São PauloProtesto contra o governo Bolsonaro na avenida Paulista, em São Paulo - Foto: Nelson Almeida/AFP

Os presidentes das centrais sindicais participarão de ato, nesta sexta-feira (18), que funcionará como aquecimento para as manifestações nacionais contra Jair Bolsonaro, marcadas para sábado (19).

Os líderes de CSB, CUT, Força Sindical, CTB, entre outras, estarão a partir das 7h na avenida das Nações Unidas, na zona sul de São Paulo, para atividades de mobilização e convocação para o ato do dia seguinte.

"No próximo sábado (19), estaremos nas ruas pelo Fora Bolsonaro, mas é preciso ir além. É hora de dizer não à reforma administrativa, exigir os R$ 600 de auxílio emergencial e gritar bem alto: vacina no braço e comida no prato", diz Antonio Neto, presidente da CSB.

As centrais pretendem promover assembleias em locais de trabalho, atividades de panfletagem e paralisações nesta sexta-feira (18).

As centrais não convocaram seus membros para as manifestações de 29 de maio, e líderes da campanha Fora, Bolsonaro acreditam que isso contribuiu para que não tenham sido maiores.

Com apoio aberto de sindicatos e também de partidos de oposição, eles acreditam que mais de 500 cidades receberão atos neste sábado (19). O protesto anterior aconteceu em ao menos 213 cidades do Brasil e 14 do exterior, segundo estimativa dos movimentos.

Veja também

Gilmar manda para PGR pedidos de investigação de conduta de Braga Netto sobre eleições de 2022
Eleições 2022

Gilmar manda para PGR pedidos de investigação de conduta de Braga Netto sobre eleições de 2022

Com reforma, Bolsonaro consolida 27 trocas na Esplanada dos Ministérios em dois anos e meio
Política

Com reforma, Bolsonaro consolida 27 trocas em dois anos e meio