Centrão discute alianças estaduais, vice e campanha com Ciro

A cúpula fez uma sabatina com o pré-candidato à Presidência, e definirá quem dará apoio à Alckmin na disputa

Ciro Gomes em visita ao RecifeCiro Gomes em visita ao Recife - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

A cúpula do chamado centrão - bloco cujo núcleo duro é formado por DEM, PP, SD e PRB - sabatinou no sábado (14) o pré-candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes (CE), e terá conversas individuais neste fim de semana com o presidenciável tucano, Geraldo Alckmin (SP), para definir quem apoiará na disputa pelo Palácio do Planalto.

A ideia é tomar uma decisão até quinta-feira (19), véspera do início das convenções partidárias que definirão os rumos das legendas na eleição.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e os presidentes do DEM, ACM Neto, do PP, Ciro Nogueira, do Solidariedade, Paulinho da Força, e do PRB, Marcos Pereira, reuniram-se em São Paulo na casa do empresário Benjamin Steinbruch, filiado ao PP.

Integrantes do grupo ponderaram que com Alckmin, a conversa flui mais automaticamente, mas que com Ciro, apesar do discurso sedutor, é preciso esmiuçar pontos de divergência. O pré-candidato, por exemplo, é crítico da reforma trabalhista, aprovada com apoio dos partidos do bloco.

Leia também:
Ciro une opostos, mina adversários e estabelece hegemonia no Ceará
Alckmin diz que aliança com o DEM deve ocorrer até julho


No encontro deste sábado, os líderes do centrão foram mais objetivos ao discutir questões como alianças nos estados, condições de campanha e postos como a presidência da Câmara, cargo que Maia quer ocupar pela terceira vez. Maia, Nogueira e Paulinho defendem apoio a Ciro, enquanto Marcos Pereira e Neto ainda querem fazer mais análises antes de bater o martelo.

O grupo ainda tenta atrair o PR, partido que, sozinho tem cerca de 45 segundos de tempo de TV. O bloco, sem o PR, tem 2 minutos e 11 segundos. Por isso há um grande esforço para trazer o partido de Valdemar Costa Neto. A preferência dele terá grande influência na hora de se bater o martelo sobre que candidato apoiar.

Sozinho, Alckmin tem 1 minuto e 11 segundos de TV. Se confirmada a aliança com PSD, PTB, PV e PPS, o tucano chega a 2 minutos e 53 segundos. Com o tempo do blocão, chegaria a 5 minutos e 4 segundos ou até a 5 minutos e 49 segundos, caso o PR entre na campanha.

Ciro tem hoje, sozinho, 25 segundos. Se fechar aliança com o PSB, vai a 1 minuto e 10 segundos. Com o blocão, vai a 3 minutos e 21 segundos, podendo chegar a 4 minutos e 6 segundos se o PR aderir ao grupo.

O PSC (17 segundos) pode integrar oficialmente o centrão nos próximos dias. O PHS (7 segundos) participou de uma reunião do grupo na quarta-feira (11) e também pode engrossar o bloco que quer crescer para aumentar seu poder de barganha.

A título de comparação, o PT, sozinho, tem 1 minuto e 27 segundos. O MDB tem 1 minuto e 26 segundos. O encontro deste sábado serviu também para se discutir opções de nomes para ocupar o posto de candidato a vice-presidente. Se o candidato apoiado for Ciro Gomes, o PR entrar no grupo e o PSB fechar aliança com o PDT, as possibilidades de vice aventadas na reunião são Márcio Lacerda (PSB), Josué Alencar (PR) e Benjamin Steinbruch (PP).

Se decidirem apoiar Alckmin, os integrantes do grupo consideram para vice Josué Alencar (PR), Mendonça Filho (DEM), Aldo Rebelo (SD) e um nome do Nordeste a ser definido pelo PP.

Antes de se reunirem na quinta-feira para, finalmente, definir o apoio, o grupo se encontra com Valdemar na quarta-feira (18) para saber qual a decisão dele sobre o destino do PR, já que há grande pressão da bancada para que a sigla apoie a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL-RJ).

O encontro aconteceria no início da semana, mas Rodrigo Maia vai ao Chile para não ter que assumir o Palácio do Planalto, pois o presidente Michel Temer estará fora do país em viagem oficial.

Veja também

Governo desviou R$ 52 mi de publicidade da Covid para propaganda de suas ações
Brasil

Governo desviou R$ 52 mi de publicidade da Covid para propaganda de suas ações

Base de Bolsonaro evita apoio já à reeleição e cogita migrar para Lula
Corrida eleitoral

Base de Bolsonaro evita apoio já à reeleição e cogita migrar para Lula