Política

Chefe da PF do AM que será trocado é citado como 'alvo a ser abatido' em conversa de investigados

No diálogo, eles falam da necessidade em pedir ajuda a uma pessoa de nome Júlio para a tarefa, ele seria representante dos madeireiros

Operação da Polícia FederalOperação da Polícia Federal - Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Alexandre Saraiva, retirado do comando da Polícia Federal no Amazonas pelo atual diretor-geral Paulo Maiurino, é citado em troca de mensagens de madeireiros investigados pela corporação como o "alvo a ser abatido".
As mensagens mostram como os madeireiros almejavam o delegado fora do cargo.

Em 2 de setembro de 2019, o investigado Roberto Paulino encaminha uma foto do superintendente a um interlocutor de nome Guga. "Alvo a ser abatido", diz ele.

"A frase indica que todas as possibilidades para remover o superintendente da Polícia Federal no Amazonas estão sobre a mesa, em outros termos, caso as vias políticas e/ou judiciais e disciplinares não surtam efeito, não está descartado o uso da violência", diz a PF.
 


Outra conversa de Paulino, essa com Humberto Jacob de Barros Oliveira, também expõe o descontentamento com o delegado e a vontade de tirá-lo do posto.

No diálogo, eles falam da necessidade em pedir ajuda a uma pessoa de nome Júlio para a tarefa, ele seria representante dos madeireiros.

"Tem que pedir para o Júlio tirar esse cara daqui. Urgente", diz Paulino. "Ele vai quebrar todos", responde Humberto.
As conversas integram o inquérito da operação Arquímedes, responsável pela apreensão de 444 contêineres com madeira ilegal.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, no domingo (4), Saraiva criticou a atuação de Salles em favor de madeireiros alvos de outra ação da PF, a Handroanthus GLO, responsável pela maior apreensão de madeira da história do país.

O delegado disse que nunca tinha visto um ministro ser contra uma ação cujo objetivo é preservar a floresta amazônica.
Na quarta-feira (14), ele encaminhou ao Supremo Tribunal Federal uma notícia crime contra o ministro e o senador Telmário Mota (Pros-RR), também pela atuação em favor dos investigados.

Um dia depois foi substituído do cargo por decisão do novo diretor-geral da PF, Paulo Maiurino.

Veja também

Em encontro com ruralistas, Bolsonaro, sem máscara, volta a causar aglomeração
Pandemia

Em encontro com ruralistas, Bolsonaro, sem máscara, volta a causar aglomeração

Pazuello pretende responder todas as perguntas na CPI, diz advogado após concessão de habeas corpus
Covid-19

Pazuello pretende responder todas as perguntas na CPI, diz advogado após habeas corpus