Protesto

Cidades têm volta do panelaço em protesto pela má condução da pandemia pelo governo federal

Falta de oxigênio em Manaus e atraso na vacinação são queixas principais

Comportamento do presidente Jair Bolsonaro no combate à Covid-19 desagrada grande parte da populaçãoComportamento do presidente Jair Bolsonaro no combate à Covid-19 desagrada grande parte da população - Foto: Marcos Corrêa/PR

Em dia de derrotas na tentativa de receber vacinas contra a Covid-19 produzidas na Índia e de mais relatos de pacientes morrendo sem oxigênio em Manaus, o governo de Jair Bolsonaro virou alvo de um novo panelaço em várias cidades brasileiras, nesta sexta-feira (15).

Com gritos de "fora, Bolsonaro" e "assassino", brasileiros criticam a demora para o início da imunização e de envio de mais insumos para evitar o colapso do sistema de saúde amazonense. Manifestantes também pedem o impeachment do presidente.

No Recife, Zona Norte e Zona Sul tiveram registro de panelaço contra o presidente. Outras cidades que também protestaram foram Rio de Janeiro, Salvador, Florianópolis, Brasília e São Paulo, que começou a bater panelas meia hora antes do horário combinado nas redes socais. 

O governo Bolsonaro vem acumulando derrotas na tentativa de começar a imunização do País. Nenhuma das duas vacinas esperadas para o início da campanha nacional foram entregues ao Ministério da Saúde até agora.

Uma delas viria da Índia para o Brasil e tinha previsão de chegar neste sábado (16), mas, nesta sexta, o governo da Índia negou a entrega imediata do lote de dois milhões de doses do imunizantes da AstraZeneca/Oxford, o que frustrou uma operação montada para buscar o material no país asiático.

Com o veto da Índia, o presidente Bolsonaro corre o risco de assistir o início da vacinação no Brasil com a Coronavac, que tem sido utilizada como trunfo do governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

A pasta da Saúde deu um ultimato ao Instituto Butantan pedindo que fossem entregues os seis milhões de doses da Coronavac, mas o órgão respondeu que não vai enviar o imunizante ao governo federal porque não há um plano para distribuí-las entre os estados.

O ministério passou o segundo semestre ignorando a oferta de incorporação da Coronavac ao calendário nacional. Mas, depois de idas e vindas, a pasta aceitou o imunizante no programa nacional. Antes previa várias outras vacinas ainda não existentes no País

Veja também

Imóvel que Flávio Bolsonaro diz ter vendido para comprar mansão teve cobrança de 'lei do puxadinho'
Política

Imóvel que Flávio Bolsonaro diz ter vendido para comprar mansão teve cobrança de 'lei do puxadinho'

Relator propõe seis meses de suspensão para deputado que assediou Isa Penna
FERNANDO CURY

Relator propõe seis meses de suspensão para deputado que assediou Isa Penna