Cinco ministros do Supremo votam a favor de denúncia contra Renan

Renan Calheiros é acusado de crime de peculato, que consiste no desvio de dinheiro público

Vereador Ivan Moraes (PSOL) solicitou a audiência pública e reclama do curto prazo para discutir um planejamento para 10 anos Vereador Ivan Moraes (PSOL) solicitou a audiência pública e reclama do curto prazo para discutir um planejamento para 10 anos  - Foto: Beto Figueiroa/Divulgação

Cinco ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram até o momento aceitar denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) em 2013 contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) pelo crime de peculato, que consiste no desvio de dinheiro público. Para se tornar réu na Corte, é necessário mais um voto a favor da denúncia.

A sessão continua para que os ministros possam decidir sobre a prescrição dos crimes de falsificação e uso de documento falso. A Corte debate as divergências apresentadas nos votos já proferidos. Votaram até o momento os ministros Edson Fachin, relator, Luís Roberto Barroso, Teori Zavascki, Rosa Weber e Luiz Fux. Faltam os votos de seis ministros.


A Corte julga nesta tarde denúncia na qual Renan é acusado de usar um lobista de uma empreiteira para pagar pensão a uma filha que teve fora do casamento. O peemedebista também é acusado de ter adulterado documentos para justificar os pagamentos. O caso foi revelado em 2007. Na época, após a denúncia, Renan teve de renunciar à presidência da Casa.

Veja também

TSE: extratos bancários de partidos serão publicados na internet
eleições

TSE: extratos bancários de partidos serão publicados na internet

Moraes é sorteado relator de inquérito que investiga acusações de Moro contra Bolsonaro
justiça

Moraes é relator de inquérito de Moro contra Bolsonaro