Citando França, Marina diz: "Aprendi com Eduardo"

"Márcio França avaliou que era melhor não ter candidatura em São Paulo e não teve", recorda Marina

Cafezinho com Marina SilvaCafezinho com Marina Silva - Foto: Divulgação

Não foi a primeira vez que o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, subiu o tom na direção da presidenciável Marina Silva. Em 2014, um dia após o PSB formalizar a candidatura de Marina Silva ao Planalto, Siqueira , enquanto coordenador-geral da campanha de Eduardo Campos, anunciou seu desligamento do posto e disparou: "Ela que vá mandar na Rede dela”. Essa semana, Siqueira tachou de "fake news" uma declaração de Marina e descartou negociação com a Rede. Indagada se ficaram rusgas de 2014, a ex-ministra, que deixa o Recife hoje, nega que tenha guardado mágoa e, entre outras coisas, assinala: "Tem uma frase que eu sempre digo: ´Eu prefiro sofrer a injustiça do que praticar a injustiça e isso é o meu lema, é a minha vida". E pondera: "As pessoas caminham do jeito que elas acham melhor. Lembro que, em 2014, Eduardo (Campos) lutou muito para a gente ter uma candidatura do PSB em São Paulo. O PSB de São Paulo entendeu que não. E não teve. A gente, que é democrata, não pode obrigar o partido a fazer sempre como você quer que faça. É difícil? É. Mas isso a democracia". Marina recorre a episódio envolvendo Márcio França, hoje governador de São Paulo e defensor da candidatura de Geraldo Alckmin à Presidência da República. Realça, assim, o seguinte ponto: nem Eduardo Campos que tinha o controle do PSB e capitaneava processos de decisão, sem deixar vácuo de liderança - como passou-se a apontar na sigla após seu falecimento - conseguiu impor sua vontade à ala paulista. "Eu, inclusive, aprendi muito, naquela época, com atitude de Eduardo. Márcio França avaliou que era melhor não ter candidatura em São Paulo e não teve", recorda ela e completa: "Nos estados, onde houve a compreensão de que o melhor caminho era sair de uma forma respeitosa do governo, as pessoas saíram do governo. Porque, para nós, não é uma questão dos cargos, é o programa". Em Pernambuco, a Rede deixou a gestão Paulo Câmara, rompimento que foi citado por Carlos Siqueira junto aos casos do Distrito Federal e da Paraíba. Marina fez as considerações em entrevista a esta colunista e ao titular do Blog da Folha, Daniel Leite, na coluna digital No Cafezinho, que vai ao ar, hoje, no Blog da Folha e nas redes sociais da Folha de Pernambuco.

Tenha calma! São dois turnos

Na última terça-feira, Siqueira afirmou que uma aliança com a Rede "não passará de um sonho". Marina lembra que a eleição é dois turnos. E observa: "É por isso que eu quero fazer uma campanha em que, ao ganhar para o governo, eu não tenha que ficar constrangida para conversar com PSB, para conversar com PDT, para conversar com as pessoas de bem para ajudar a melhorar o Brasil".

De cor > A última vez que a presidenciável Marina Silva tomou refrigerante foi em 1986. Tem a data de cor. Entrou na lanchonete com um amigo e avisou a ele que aquela seria a última vez.

Disciplina > Marina tem algumas restrições alimentares devido a alergias. Água, só toma natural. Durante a gravação do No Cafezinho, ontem, preferiu um chá, porque não pode tomar cafeína.

Ou vai ou vai > Ex-prefeito de Petrolina, Júlio Lóssio não arrodeia quando o assunto é sua pré-candidatura ao Governo do Estado. À coluna, ele crava: "Eu sou candidato de todo jeito, a não ser que a Rede não queira. Ou se eu morrer".

Fim do Foro > Líder do PSB na Câmara Federal, Tadeu Alencar solicitou, à Casa, a realização, no Recife, de um seminário para debater a Proposta de Emenda Constitucional nº 333, de 2017, que visa a restringir o foro especial por prerrogativa de função.

Jato de água fria > Foi referendada, por 6x5, no STF, liminar do ministro Gilmar Mendes proibindo as conduções coercitivas no País.

Veja também

Cidades têm volta do panelaço em protesto pela má condução da pandemia pelo governo federal
Protesto

Cidades têm volta do panelaço em protesto pela má condução da pandemia pelo governo federal

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus
Congresso

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus