CNN censura campanha de Bolsonaro na Europa e só mostra nos EUA

a CNN alega que tomou a decisão baseada em diretrizes internacionais

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Marcos Corrêa/PR

A CNN Internacional comunicou ao governo de Jair Bolsonaro que recusou para parte do mundo a campanha sobre a Amazônia que a administração pretende veicular em órgãos de mídia de todo o mundo.

De acordo com mensagem enviada à Secom (Secretaria de Comunicação), a CNN alega que tomou a decisão baseada em diretrizes internacionais. E que pretende, com isso, se proteger de reações políticas e legais.

A reportagem apurou que a emissora considerou que a campanha tinha viés político por usar a palavra "soberania" nas peças publicitárias.

Leia também:
Bolsonaro foi indelicado e deve desculpas a Bachelet, diz Doria
Intacto, Moro supera em 25 pontos aprovação de Bolsonaro, mostra Datafolha


Questionado, o secretário Fábio Wajngarten, da Secom, confirma a informação. Ele diz que "lamenta a decisão", que considera "censura por parte da CNN internacional, emissora que se diz a favor da democracia".

A equipe de Wajngarten pediu mais explicações da CNN.

Curiosamente, o veto para a veiculação da campanha ficou restrito à programação da Europa e de outros continentes. Ela deve ser veiculada nos EUA e também no Brasil.

Há duas semanas, o presidente francês, Emannuel Macron, fez duras críticas a Bolsonaro por causa das queimadas na Amazônia, chegando a dizer que ele não está à "altura" do cargo que ocupa. O brasileiro reagiu também com ataques incisivos e acusou o francês de querer violar a soberania nacional.

Veja também

Marco Aurélio, do STF, recebe alta após operação no joelho
Geral

Marco Aurélio, do STF, recebe alta após operação no joelho

Congresso fará aperfeiçoamento da reforma administrativa, diz ministro
Política

Congresso fará aperfeiçoamento da reforma administrativa, diz ministro