CNN censura campanha de Bolsonaro na Europa e só mostra nos EUA

a CNN alega que tomou a decisão baseada em diretrizes internacionais

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Marcos Corrêa/PR

A CNN Internacional comunicou ao governo de Jair Bolsonaro que recusou para parte do mundo a campanha sobre a Amazônia que a administração pretende veicular em órgãos de mídia de todo o mundo.

De acordo com mensagem enviada à Secom (Secretaria de Comunicação), a CNN alega que tomou a decisão baseada em diretrizes internacionais. E que pretende, com isso, se proteger de reações políticas e legais.

A reportagem apurou que a emissora considerou que a campanha tinha viés político por usar a palavra "soberania" nas peças publicitárias.

Leia também:
Bolsonaro foi indelicado e deve desculpas a Bachelet, diz Doria
Intacto, Moro supera em 25 pontos aprovação de Bolsonaro, mostra Datafolha


Questionado, o secretário Fábio Wajngarten, da Secom, confirma a informação. Ele diz que "lamenta a decisão", que considera "censura por parte da CNN internacional, emissora que se diz a favor da democracia".

A equipe de Wajngarten pediu mais explicações da CNN.

Curiosamente, o veto para a veiculação da campanha ficou restrito à programação da Europa e de outros continentes. Ela deve ser veiculada nos EUA e também no Brasil.

Há duas semanas, o presidente francês, Emannuel Macron, fez duras críticas a Bolsonaro por causa das queimadas na Amazônia, chegando a dizer que ele não está à "altura" do cargo que ocupa. O brasileiro reagiu também com ataques incisivos e acusou o francês de querer violar a soberania nacional.

Veja também

Depoimentos dão fôlego a relatório de Renan; para governistas, não há fatos
CPI da Covid

Depoimentos dão fôlego a relatório de Renan; para governistas, não há fatos

Itamaraty muda rumo e sinaliza apoio a negociação na Venezuela
Diplomacia

Itamaraty muda rumo e sinaliza apoio a negociação na Venezuela