Com aval de Lula, PT amplia votação para escolher candidato à Prefeitura de SP

A candidatura petista em São Paulo está sem solução desde que o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) se recusou a concorrer

Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente do Brasil  - Foto: JOEL SAGET / AFP

Em meio a um impasse com os pré-candidatos à Prefeitura de São Paulo, o PT resolveu nesta quarta-feira (29) ampliar a votação que irá escolher o candidato petista na eleição. A decisão deve ser tomada em 16 de maio, por meio do voto de cerca de 600 pessoas que compõem os diretórios regionais do partido na capital paulista.

A decisão contemplou parte dos pré-candidatos que estavam insatisfeitos por desejarem uma votação em que todos os filiados pudessem participar. No entanto, essa solução de meio termo, costurada com o ex-presidente Lula (PT), ainda não representa um consenso.

A candidatura petista em São Paulo está sem solução desde que o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) se recusou a concorrer. As outras opções do partido são nomes menos conhecidos da população.

Leia também:
Fachin autoriza que julgamento virtual de Lula no STJ seja cancelado
Eduardo Bolsonaro é intimado em processo de Lula e herdeiros de Marisa Letícia

Para lideranças petistas, o ex-deputado Jilmar Tatto, que é o favorito na eleição interna, pode levar a uma derrota acachapante na capital. Em 2018, ele terminou em sétimo na eleição para o Senado, com 6% dos votos.

Nos últimos dias, o acirramento entre os pré-candidatos cresceu a ponto de Lula ser chamado a apaziguar a questão em uma conversa com todos eles realizada na segunda-feira (27). O ex-presidente salientou a importância de São Paulo no cenário nacional, pregou entendimento entre os petistas e ressaltou que era desejável ampliar o colégio que escolherá o candidato.

A nova definição tomada pelo diretório nacional da sigla representa uma ampliação da decisão anterior, de que somente os membros do diretório municipal, 46 pessoas, escolheriam o candidato. O modelo anterior havia sido definido pelo PT para todas as cidades, inclusive São Paulo –nas que possuem mais de 100 mil eleitores, a executiva nacional deveria referendar a escolha.

A votação restrita estava marcada para esta quinta-feira (30), mas o modelo foi contestado pela maioria dos pré-candidatos e acabou sendo abandonado. Agora, a nova votação deve ocorrer de forma virtual no dia 16 de maio, após debates no dia anterior.

Antes da pandemia do coronavírus se instalar no país, o partido tinha prévias marcadas para 22 de março, que foram canceladas para evitar aglomeração. Nas prévias, aproximadamente 170 mil filiados do PT no município estariam aptos a votar –a expectativa era de que 20 mil participassem de fato.

O cancelamento das prévias deu início aos desentendimentos internos que acabaram por atrasar a escolha petista, enquanto outros partidos já definiram seus nomes e se preparam para a disputa. A realização da própria eleição, no entanto, é uma incógnita devido à pandemia, e há chances de que o pleito municipal seja adiado em algumas semanas.

A maior parte dos pré-candidatos do PT preferia que o partido mantivesse as prévias, realizando a votação online. Os deputados Alexandre Padilha, Paulo Teixeira e Carlos Zarattini, além do vereador Eduardo Suplicy e do urbanista Nabil Bonduki, se posicionaram a favor de um colégio eleitoral com abertura a todos os filiados para uma escolha democrática.

Já Tatto, na dianteira por controlar a maior parte da máquina petista na capital, argumenta que filiados da periferia, onde ele detém vantagem eleitoral, podem não ter acesso a uma votação online por falta de celular ou internet.

A ativista do movimento negro Kika Silva, que também é pré-candidata, compartilha da tese de que a votação online é excludente.

Os pré-candidatos chegaram a recorrer ao diretório nacional do PT pedindo as prévias online, mas os recursos foram indeferidos nesta quarta.

O modelo agora definido pela cúpula do PT foi proposto pelo presidente do diretório municipal paulistano, Laércio Ribeiro, na reunião com Lula. A ideia foi aprovada pela maior parte do diretório municipal, onde Tatto tem maioria, nesta quarta (29) e foi endossada no mesmo dia pelo diretório nacional em reunião virtual. A votação foi de 56 a 13, com duas abstenções.

Teixeira, que é secretário-geral do PT, votou a favor do novo modelo de escolha diante da derrota dos recursos que pediam prévias online. "Acho que essa forma aprovada representa um mal menor, foi o que deu pra fazer. A questão está equacionada", afirmou.

Já Zarattini afirma que continuará lutando pelas prévias online. "Tecnologicamente é possível. São Paulo é o estado mais conectado do Brasil. Se pode ampliar para 600 pessoas, por que não pode ampliar mais? Vamos nesses dias discutir o assunto e ver se é possível mudar", disse.

Para Tatto, o gesto de aumentar o colégio eleitoral representou um amadurecimento entre os petistas. "Concordo que é mais democrático, dá maior legitimidade para o processo e para quem for o escolhido. Acredito que, com isso, o PT caminha para uma unidade grande para derrotar Bruno Covas, João Doria e Jair Bolsonaro em São Paulo."

Tatto integra a corrente majoritária do PT e é aliado da presidente da sigla, deputada Gleisi Hoffmann (PR). Seus adversários na disputa interna chegaram a comparar a situação atual com a recusa do PT em participar do colégio eleitoral que elegeu Tancredo Neves em 1984 por defender exclusivamente as eleições diretas.

Até nomes históricos do PT, como José Genoino e José Dirceu, se posicionaram a favor das prévias online. "Tem que ter uma maneira de consultar os filiados. Devemos fazer esse esforço. O partido deve ser horizontalizado e não verticalizado", disse Genoino.

O limite legal para registro de candidaturas é agosto. Entre os petistas, há preocupação com a indefinição da candidatura em São Paulo. A falta de um nome atrasa a elaboração de programa de governo, a montagem da chapa de vereadores e a estratégia para tornar conhecido o candidato escolhido.

A falta de um nome também dificulta que o partido responda a adversários que já se apresentaram para a disputa, como Márcio França (PSB), numa aliança de esquerda com o PDT, e o prefeito Bruno Covas (PSDB), que concorrerá á reeleição.

À direita, também há nomes já lançados para a corrida, como Andrea Matarazzo (PSD), Filipe Sabará (Novo), Joice Hasselmann (PSL) e Arthur do Val (Patriota). À esquerda, Orlando Silva sairá pelo PC do B.

Ainda há incerteza em relação a José Luiz Datena (MDB), que negocia a vaga de vice na chapa tucana, e à ex-prefeita Marta Suplicy, que está filiada ao Solidariedade e pode ser candidata a prefeita ou a vice. O PSOL tampouco escolheu seu candidato entre Guilherme Boulos, Samia Bomfim e Carlos Gannazi.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) até agora também não tem um nome que o represente em São Paulo. Seu partido, a Aliança pelo Brasil, não estará pronto até o pleito de outubro.

Veja também

Vereador quer assistência psicológica nas escolas municipais do Recife
BLOG DA FOLHA

Vereador quer assistência psicológica nas escolas municipais do Recife

Mandatos coletivos avançam, mas ainda sob resistência; Juntas (PSOL-PE) é exemplo
Política

Mandatos coletivos avançam, mas ainda sob resistência; Juntas (PSOL-PE) é exemplo