Com crítica a juíza, Moro e Bolsonaro, Lula entrega defesa final no caso do sítio

Um dos principais argumentos da defesa é a suposta parcialidade de Moro, que comandou o caso até novembro, quando deixou a magistratura para ser ministro da Justiça de Bolsonaro

O ex-presidente Lula foi preso no dia 7 de abril de 2018O ex-presidente Lula foi preso no dia 7 de abril de 2018 - Foto: Mauro Pimentel / AFP

A defesa do ex-presidente Lula entregou na noite desta segunda-feira (7) as alegações finais na ação penal do sítio de Atibaia (SP), em que é acusado de corrupção e lavagem. Os advogados pedem a absolvição e criticam o ex-juiz Sergio Moro, a atual juíza responsável, Gabriela Hardt, e o presidente Jair Bolsonaro (PSL). A entrega desse documento é a última fase antes da publicação da sentença por Hardt no caso.

Os advogados produziram um documento de 1.634 páginas e 23 documentos anexos.
Um dos principais argumentos da defesa é a suposta parcialidade de Moro, que comandou o caso até novembro, quando deixou a magistratura para ser ministro da Justiça de Bolsonaro. A defesa, comandada pelo advogado Cristiano Zanin, voltou a afirmar que o ex-presidente é vítima de "lawfare" -uso de instrumentos jurídicos para perseguição política.

Leia também:
Ministério Público pede condenação de Lula na ação do sítio de Atibaia
Não vamos baixar a cabeça, diz Lula em mensagem de Ano-Novo
Tribunal abre edital para substituir vaga deixada pelo ex-juiz Sergio Moro


Cita ataques de Bolsonaro a Lula ao longo da campanha eleitoral, como a declaração de que iria "fuzilar a petralhada", para reforçar a contestação à nomeação de Moro para o governo. "A pessoa que aceitou comandar o 'Ministério da Justiça ampliado' do presidente eleito -o mesmo que afirmou que o defendente [Lula] irá 'apodrecer na cadeia' e que seus aliados serão presos se não deixarem o país e o juiz que tomou diversas medidas ilegais e arbitrárias contra o defendente com o objetivo de promover o desgaste da sua imagem", diz trecho do documento. Lula está preso em Curitiba desde abril em decorrência de condenação em outro processo da Lava Jato, sobre o tríplex em Guarujá (SP) reformado pela OAS.

Veja também

Carreata no Recife pede impeachment de Bolsonaro e vacinação para todos
BLOG DA FOLHA

Carreata no Recife pede impeachment de Bolsonaro e vacinação para todos

Ex-assessora de Baleia Rossi é investigada por suspeita de caixa dois no interior de SP
DIRETÓRIO ESTADUAL

Ex-assessora de Baleia Rossi é investigada por suspeita de caixa dois no interior de SP