Com "grau de controvérsia menor", tributária pode ter apoio do PSB

Líder da bancada, Tadeu diz que o partido tem preocupação com a egressividade

Tadeu AlencarTadeu Alencar - Foto: Humberto Pradera/PSB

"Esse é um tema do nosso interesse particular". A avaliação é do líder do PSB na Câmara Federal, deputado Tadeu Alencar, em referência à Reforma Tributária. Ao menos cinco projetos de novas regras tributárias tramitam no Congresso. O ministro da Economia, Paulo Guedes, adiantou pontos do projeto do governo na última quinta-feira. Ontem, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, defendeu uma proposta única, capaz de abarcar tanto os interesses do Congresso quanto os do governo, e sinalizando que a proposta construída pelo governo deve sofrer alterações. Se o PSB bateu o pé contra a reforma da previdência, a posição em relação à tributária deve ser mais flexível. "Nós achamos que tem um grau de controvérsia muito menor do que tem na previdência", adianta Tadeu Alencar. O PSB fechou questão contra a reforma da previdência, o que abriu debate interno sobre eventual expulsão de parlamentares que contrariaram orientação partidária. Foram 11 no 1º turno e 10 no 2º. Em relação à reforma tributária, Tadeu adianta que a regressividade há de ser enfrentada. "As atuais propostas não tocam nisso" sublinha. Ele é membro titular da comissão especial que vai debater o tema. Do PSB, ainda estão no colegiado Alessandro Molon, Denis Bezerra e Elias Vaz. "Vão participar do debate de maneira muito envolvida", realça Tadeu Alencar. Ele insiste: "O grau de conflagração desse tema, de divergência é muito menor. Nossa preocupação é de que não se aproveite uma reforma tributária para ainda agravar o desequilíbrio do modelo que está em vigor", pondera. E adverte: "Se for para isso, não conte com o PSB". Caso contrário, Tadeu considera: "O PSB pode vir a apoiar uma proposta desse tipo (que simplifique, desburocratize, sem aumentar carga tributária)".
Por uma boa causa
Elas se conheceram em São Paulo durante o Fórum Instituto Vasselo Goldoni, realizado com a ONU Mulheres. Em meio à apresentação da deputada Gleide Ângelo, a atriz e empresária Luiza Brunet, que assistia da plateia, emocionou-se e chorou. As duas acabaram amigas. Em comum, elas têm o combate à violência contra a mulher. Na semana passada, Luiza chamou Gleide para palestra dela na Ilha de Deus. Gleide foi lá.
LU e... > A atriz ministrava trend talks sobre empoderamento das mulheres no Bistrô Negra Linda. Mas quis vacinar os cachorros da comunidade. Gleide acionou o secretário dos Direitos Animais do Recife, João Marcelo Figueiredo, e concluíram a missão. À noite, sentadas no chão, acompanharam o trabalho das marisqueiras.
...gleidiane > Bem-humorada, Gleide, que arrumou uma nova parceira para causa antiga, brinca: "É Lu e Gleidiane. Ela me chama de Gleidiane. Eu chamo ela de Lu. É minha BFF (best friend forever)!".
Tua vez! > Gleide está à frente do projeto Tua Vez, que visa a gerar empregos para mulheres vítimas de violência. Trata-se de um termo de cooperação, que envolve, entre outras entidades, Secretarias de Trabalho, da Mulher, Instituto Maria da Penha, que ganhou sede. "Maria da Penha está vindo inaugurar", avisa Gleide.
Orçamento > Na segunda-feira, o secretário de Planejamento e Gestão, Alexandre Rebêlo, fará a exposição do texto original da LDO 2020 aos deputados na Alepe. No mesmo dia, encerra-se o prazo para apresentação de emendas parlamentares.
Deadline > A discussão e votação dos relatórios parciais se darão no próximo dia 14, durante reunião da Comissão de Finanças, presidida pelo deputado Lucas Ramos. No dia 20, serão discutidos e votados em plenário os relatórios Geral e de Redação Final.

Veja também

Cuba e Venezuela denunciam na Opas sanções "ilegais" dos Estados Unidos em meio à pandemia
Mundo

Cuba e Venezuela denunciam na Opas sanções "ilegais" dos Estados Unidos em meio à pandemia

Justiça Federal manda soltar acusados de invadir celular de Moro
justiça

Justiça Federal manda soltar acusados de invadir celular de Moro