Política

Com saída de Moro, ministro amigo de Bolsonaro é o mais cotado para assumir Justiça

Se isso se confirmar, a probabilidade maior é que o chefe da Secretaria-Geral, Jorge Oliveira, assuma Segurança Pública por ser policial militar da reserva do Distrito Federal

Chefe da Secretaria-Geral, Jorge OliveiraChefe da Secretaria-Geral, Jorge Oliveira - Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Com a saída do ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) do governo, o chefe da Secretaria-Geral, Jorge Oliveira, passou a ser um dos mais cotados para substituí-lo. Num cenário ainda incerto, um dos desenhos no Palácio do Planalto é de que haja a cisão de Justiça e Segurança Pública, desejo antigo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Se isso se confirmar, a probabilidade maior é que Jorge assuma Segurança Pública por ser policial militar da reserva do Distrito Federal. Há, contudo, uma possibilidade e que ele vá para Justiça, mas considerada menor. Já para a Justiça, o nome mais forte é o do secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson França, que tem se aproximado de Bolsonaro. Lateralmente, há uma possibilidade de o ex-deputado Alberto Fraga (DEM-DF) ser escolhido.

Fraga, que é amigo pessoal do presidente, poderia ainda ser indicado para a Secretaria-Geral, no lugar de Jorge. Com isso, o governo ganha um político no Planalto para auxiliar na articulação com o Congresso. Hoje, há apenas militares nas quatro pastas que ficam no prédio da Presidência.

Leia também:
Após embate com Bolsonaro sobre comando na PF, Moro pede demissão do ministério da Justiça
Pivô de embate, PF apura casos sobre o entorno do presidente
Pedido de demissão de Moro demonstra 'arrefecimento do esforço de transformação do Brasil', diz Barroso


Essas mudanças foram tratadas pelo presidente com o governo do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), que esteve no Planalto na última quarta-feira (22). Foi por esse motivo que Rocha evitou assinar documento dos governadores contra Bolsonaro esta semana e mostrou-se alinhado ao governo, inclusive participando de entrevista coletiva diária que normalmente é feita apenas por ministros.

No Planalto, militares e nomes como André Mendonça, advogado-geral da União, tentaram impedir que o ministro deixasse o governo, mas o esforço foi em vão. Moro ficou incomodado com a exoneração de Maurício Valeixo do cargo de diretor-geral da Polícia Federal, órgão subordinado administrativamente à Justiça.

O fatiamento de Justiça e Segurança Pública é um desejo antigo do presidente e Moro é visto como um empecilho para que isso aconteça. O estremecimento na relação dele com o presidente, em outros momentos, passou por esse ponto. Oliveira é da reserva da Policia Militar do Distrito Federal e homem de confiança pessoal de Bolsonaro. Formado em direito, ele é também visto por Bolsonaro como candidato a uma vaga no STF (Supremo Tribunal Federal).

Indicá-lo para o lugar de Moro seria uma solução caseira e que atende os pré-requisitos que agradam Bolsonaro: discrição e alinhamento ideológico e hierárquico. Oliveira começou no governo como subchefe de assuntos jurídicos e em menos de um ano virou ministro. Ele esteve à frente de decretos considerados caros ao presidente, como o de flexibilização ao porte e à posse de armas.

Veja também

STF derruba regra do TST com punição para férias pagas em atraso
Política

STF derruba regra do TST com punição para férias pagas em atraso

Mulheres saem às ruas do Centro do Recife em ato pela democracia
Manifestação

Mulheres saem às ruas do Centro do Recife em ato pela democracia