Com saída de Moro, ministro amigo de Bolsonaro é o mais cotado para assumir Justiça

Se isso se confirmar, a probabilidade maior é que o chefe da Secretaria-Geral, Jorge Oliveira, assuma Segurança Pública por ser policial militar da reserva do Distrito Federal

Chefe da Secretaria-Geral, Jorge OliveiraChefe da Secretaria-Geral, Jorge Oliveira - Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Com a saída do ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) do governo, o chefe da Secretaria-Geral, Jorge Oliveira, passou a ser um dos mais cotados para substituí-lo. Num cenário ainda incerto, um dos desenhos no Palácio do Planalto é de que haja a cisão de Justiça e Segurança Pública, desejo antigo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Se isso se confirmar, a probabilidade maior é que Jorge assuma Segurança Pública por ser policial militar da reserva do Distrito Federal. Há, contudo, uma possibilidade e que ele vá para Justiça, mas considerada menor. Já para a Justiça, o nome mais forte é o do secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson França, que tem se aproximado de Bolsonaro. Lateralmente, há uma possibilidade de o ex-deputado Alberto Fraga (DEM-DF) ser escolhido.

Fraga, que é amigo pessoal do presidente, poderia ainda ser indicado para a Secretaria-Geral, no lugar de Jorge. Com isso, o governo ganha um político no Planalto para auxiliar na articulação com o Congresso. Hoje, há apenas militares nas quatro pastas que ficam no prédio da Presidência.

Leia também:
Após embate com Bolsonaro sobre comando na PF, Moro pede demissão do ministério da Justiça
Pivô de embate, PF apura casos sobre o entorno do presidente
Pedido de demissão de Moro demonstra 'arrefecimento do esforço de transformação do Brasil', diz Barroso


Essas mudanças foram tratadas pelo presidente com o governo do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), que esteve no Planalto na última quarta-feira (22). Foi por esse motivo que Rocha evitou assinar documento dos governadores contra Bolsonaro esta semana e mostrou-se alinhado ao governo, inclusive participando de entrevista coletiva diária que normalmente é feita apenas por ministros.

No Planalto, militares e nomes como André Mendonça, advogado-geral da União, tentaram impedir que o ministro deixasse o governo, mas o esforço foi em vão. Moro ficou incomodado com a exoneração de Maurício Valeixo do cargo de diretor-geral da Polícia Federal, órgão subordinado administrativamente à Justiça.

O fatiamento de Justiça e Segurança Pública é um desejo antigo do presidente e Moro é visto como um empecilho para que isso aconteça. O estremecimento na relação dele com o presidente, em outros momentos, passou por esse ponto. Oliveira é da reserva da Policia Militar do Distrito Federal e homem de confiança pessoal de Bolsonaro. Formado em direito, ele é também visto por Bolsonaro como candidato a uma vaga no STF (Supremo Tribunal Federal).

Indicá-lo para o lugar de Moro seria uma solução caseira e que atende os pré-requisitos que agradam Bolsonaro: discrição e alinhamento ideológico e hierárquico. Oliveira começou no governo como subchefe de assuntos jurídicos e em menos de um ano virou ministro. Ele esteve à frente de decretos considerados caros ao presidente, como o de flexibilização ao porte e à posse de armas.

Veja também

Bolsonaro diz buscar partido para 'chamar de meu' e cogita filiação ao PP, símbolo do centrão
Partido

Bolsonaro diz buscar partido para 'chamar de meu' e cogita filiação ao PP, símbolo do centrão

Começa o funeral do presidente assassinado do Haiti, Jovenel Moise
HAITI

Começa o funeral do presidente assassinado do Haiti, Jovenel Moise