A-A+

Comissão da Câmara convoca Guedes a comparecer em debate

Membros da comissão reclamam que, desde abril, tentam, de forma não impositiva, realizar uma audiência com Guedes

Ministro da Economia, Paulo Guedes Ministro da Economia, Paulo Guedes  - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara decidiu convocar o ministro Paulo Guedes (Economia) para discutir no colegiado a reforma da Previdência.

O ministro havia sido convidado para a reunião desta quarta-feira (8) da CFT, mas ficou acordado com líderes da Casa que iria apenas à comissão especial que trata da reforma.
Insatisfeitos, membros do colegiado que trata de tributos convocaram então o ministro para uma audiência no dia 4 de junho. Em caso de convocação, Guedes é obrigado a aparecer.

Membros da comissão reclamam que, desde abril, tentam, de forma não impositiva, realizar uma audiência com Guedes.

Nesta terça (7), o ministro enviou uma carta ao colegiado agradecendo o convite e informando que, na tarde desta quarta, participará de discussão na comissão especial da reforma da Previdência. Ele, então, sugeriu que o encontro na comissão de finanças e tributação fosse no dia 12 de junho.

Leia também:
Guedes: reforma da Previdência combate privilégios e aumenta igualdade
Pesquisa aponta que 59% dos brasileiros apoiam mudanças na Previdência


Guedes enviou o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, que é ex-deputado federal e respondeu aos questionamentos dos parlamentares por quase três horas.

O requerimento foi apresentado pelo deputado Fernando Monteiro (PP-PE), que é próximo do presidente da Câmara, Rodrigo Maia DEM-RJ). "Se a comissão não passar um recado ao ministro é um desrespeito à comissão", completou o deputado do PP. A convocação foi aprovada em votação simbólica, mas com três votos contra.

O ministro chegou à Câmara nesta quarta acompanhado do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que se sentou à mesa da comissão, como aconteceu na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça).

Naquela reunião, porém, a presença de Maia não foi capaz de impedir que o caos se instalasse na comissão quando o deputado Zeca Dirceu (PT-PR) chamou Guedes de "tchutchuca". O ministro respondeu "tchutchuca é a vó" e a sessão implodiu.

O petista, que não é membro da comissão especial, está na reunião do colegiado que ouve o ministro -não membros têm direito de participar.

Desta vez, porém, a base governista se mobilizou para tentar blindar o ministro. Na CCJ, o governo recebeu críticas por ter deixado Guedes receber crítica após crítica da oposição, que havia se inscrito primeiro.

Na comissão especial, deputados da base compareceram à sessão com antecedência para colocar seus nomes, e os questionamentos devem ser feitos de maneira alternada.

Veja também

Senado aprova MP que altera tolerância no peso de caminhões e ônibus
cargas

Senado aprova MP que altera tolerância no peso de caminhões e ônibus

Conta de empresa de ex-mulher de Bolsonaro registrou 1.185 saques que somam R$ 1,1 milhão em espécie
BOLSONARO

Conta de empresa de ex-mulher de Bolsonaro registrou 1.185 saques que somam R$ 1,1 milhão em espécie