Comissão de Ética da Presidência mantém processo contra Geddel

A expectativa do órgão federal é que a análise do caso seja finalizada em 15 de dezembro, última reunião do colegiado presidencial.

Armando Monteiro promete parcelamento de IPVA e de multasArmando Monteiro promete parcelamento de IPVA e de multas - Foto: Leo Caldas/Divulgação

O presidente da Comissão de Ética da Presidência da República, Mauro Menezes, afirmou nesta sexta-feira (25) que, mesmo diante do pedido de demissão do ministro Geddel Vieira Lima, não será extinto o procedimento contra ele sobre conflito de interesse.

Segundo ele, a continuidade do processo é gesto simbólico que pode ter como efeito, caso o ministro seja punido, uma espécie de "mancha ética" no currículo do peemedebista, que entregou nesta sexta-feira (25) carta de demissão.

"Não podemos dizer que alguém não pode continuar na vida pública, apenas deixamos registrado que uma autoridade tem em seu currículo determinada avaliação quanto ao seu comportamento ético. E hoje no Brasil isso tem valido muito", disse.

A expectativa do órgão federal é que a análise do caso seja finalizada em 15 de dezembro, última reunião do colegiado presidencial.

O presidente disse também que, apesar do ministro Eliseu Padilha (Casa Civil), ter sido acusado pelo ex-ministro Marcelo Calero de tentar pressioná-lo, não há ainda previsão de abrir investigação semelhante contra ele.

"Não existe sinalização de que venhamos abrir processo contra outra autoridade citada", disse.

Ele lembrou ainda que a órgão federal não tem competência para abrir investigações contra o presidente e o vice-presidente do país, mesmo Michel Temer tendo sido citado por Calero em depoimento à Polícia Federal.

Segundo o ex-ministro, Temer o teria "enquadrado" para levar para a AGU (Advocacia-Geral da União) parecer técnico que inviabilizava empreendimento imobiliário no qual Geddel tem apartamento.

Em nota, o presidente reconheceu que conversou com Calero sobre a questão, mas negou que o tenha

Veja também

Quase 11 mil candidatos com patrimônio superior a R$ 300 mil receberam o auxílio emergencial
auxílio emergencial

Quase 11 mil candidatos com patrimônio superior a R$ 300 mil receberam o auxílio emergencial

Ministério Público pede que PF investigue ataque em que Arthur do Val relaciona Tatto ao PCC
política

Ministério Público pede que PF investigue ataque em que Arthur do Val relaciona Tatto ao PCC