Comissão externa da Câmara pedirá reunião com Bolsonaro

Parlamentares querem saber de ações de combate ao coronavírus

Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro  - Foto: Isac Nóbrega/PR

A comissão externa da Câmara dos Deutados que acompanha as ações de combate à pandemia da covid-19 aprovou um pedido de reunião com o presidente Jair Bolsonaro, para tratar das ações de enfrentamento ao novo coronavírus.

“Na terça-feira (14), surgiu a proposta [de pedir uma reunião] e solicitamos nesta quarta-feira (15) a aprovação do encaminhamento de fazermos uma reunião com o presidente [Jair Bolsonaro] para falar sobre o enfrentamento do coronavírus”, disse o coordenador do colegiado, deputado Dr. Luizinho (PP-RJ).

O colegiado se reuniu  nesta quarta-feira (15) para debater os projetos que serão encaminhados ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para inclusão na pauta do plenário.

Entre as propostas para votação em regime de urgência no plenário, estão a que isenta de impostos, durante o período do estado de emergência, materiais como máscaras, luvas, toucas cirúrgicas e outros equipamentos de proteção individual (EPIs), e a que retira o prazo mínimo para a concessão do seguro desemprego aos profissionais contratados temporariamente para trabalhar no combate ao coronavírus.

Leia também:
[Podcast] Danilo Cabral sobre Mandetta X Bolsonaro: ‘Essa arenga está parecendo um disco aranhado’
Mandetta admite erro em confronto, e Bolsonaro vê respaldo para demiti-lo
Bolsonaro e Alcolumbre se reúnem e discutem impasse sobre plano de socorro aos estados
 

Atualmente, a legislação estabelece um prazo mínimo de seis meses de contrato assinado para que a pessoa tenha direito ao seguro. O projeto elimina esse prazo, com o argumento de que muitos profissionais estão sendo contratados para trabalhar por um período inferior e ficam sem o benefício ao final do período.

Ainda segundo o deputado Dr. Luizinho, a comissão externa deverá realizar em breve três audiências públicas para debater temas como testes para identificação do vírus, EPI's e o uso de medicamentos como a hidroxicloroquina no combate ao coronavírus.

Revalida
Não houve consenso sobre a necessidade de defender a urgência para votação do projeto que determina que o governo deve realizar, no prazo de 30 dias, o Exame Nacional de Revalidação de Diplomas, o Revalida. O exame é feito para validar os diplomas de médicos brasileiros ou estrangeiros residentes no Brasil, que obtiveram diploma de graduação em instituições estrangeiras reconhecidas no país de origem.

A legislação determina que o governo realize o exame uma vez por semestre. O projeto, de autoria do deputado Jorge Sola (PT-BA), quer determinar um prazo para a realização do exame. "Não podemos esperar se o governo vai fazer o Revalida em maio ou junho. O projeto determina que, emergencialmente, o governo tenha o prazo de 30 dias", defendeu Sola.

Também não houve consenso sobre a proposta que institui auxílio emergencial aos povos indígenas, no valor de um salário mínimo mensal por família, enquanto durar o estado de emergência decorrente da pandemia do novo coronavírus.

As duas propostas serão novamente debatidas pela comissão.

Ministro
Ainda nesta quarta (15) o colegiado vai realizar uma reunião por videoconferência com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, para debater as ações da pasta no combate ao vírus. Em pauta, outros temas como a falta de EPI's, máscaras e capotes, testagem e subnotificação dos casos de coronavírus.

O deputado Dr. Luizinho comentou o pedido de demissão do secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, esta manhã.

“Queremos agradecer o trabalho do Wanderson. Não sei os motivos que o levaram a pedir demissão, mas quero aqui agradecer os trabalhos que ele prestou e certamente continuará prestando. Ele fez um trabalho de excelência, mesmo com toda dificuldade porque é extremamente comprometido”, disse.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Manifestantes fazem protesto contra Bolsonaro no Recife
Blog da Folha

Manifestantes fazem protesto contra Bolsonaro no Recife

Fundão eleitoral de R$ 5,7 bilhões foi inflado sem emenda para não deixar rastro de congressistas
Fundo eleitoral

Fundão eleitoral de R$ 5,7 bilhões foi inflado sem emenda para não deixar rastro de congressistas