Conselho de Ética arquiva denúncia contra senadoras que ocuparam plenário

Houve bate-boca entre senadores de oposição, contrários à denúncia, e da base aliada. Reunião precisou ser suspensa por dez minutos.

Senadoras da oposição ocupam mesa do plenário para impedir a votação da reforma trabalhistaSenadoras da oposição ocupam mesa do plenário para impedir a votação da reforma trabalhista - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Em uma sessão tumultuada, o Conselho de Ética do Senado decidiu, por 12 votos a 2, arquivar a denúncia contra as seis senadoras que ocuparam a Mesa Diretora do Senado por cerca de oito horas para tentar evitar a votação da reforma trabalhista, em julho.

Leia também
Presidente do Senado dá ultimato para que senadoras da oposição permitam votação


As senadoras Ângela Portela (PT-RO), Fátima Bezerra (PT-RN), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Lídice da Mata (PSB-BA), Regina Sousa (PT-PI) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) estariam sujeitas a penas que podiam variar entre censura e advertência pelo conselho, mas não à cassação do mandato em razão de se tratar de denúncia e não de representação.

A denúncia já tinha sido aceita pelo presidente do conselho, senador João Alberto Souza (PMDB-MA), que convocou a reunião para que fosse eleito o relator da matéria. No entanto, logo no início dos trabalhos houve bate-boca entre senadores de oposição, contrários à denúncia, e da base aliada, que cobraram respeito à decisão do presidente do conselho. A reunião precisou ser suspensa por dez minutos.

Exaltado, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) acusou os membros do conselho de estarem “desmoralizados” para processar as senadores depois que decidiram arquivar, por falta de provas, uma representação contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG). Em resposta, o senador Gladson Camelli (PSD-AC) acusou os oposicionistas de fazerem “baderna”.

No retorno da reunião, o senador Humberto Costa (PT-PE) apresentou questão de ordem em nome das senadoras acusadas pedindo que o presidente reconsiderasse a decisão de acatar a denúncia. Na questão, o senador apontou problemas formais na apresentação da peça inicial da denúncia e defendeu, no mérito, que ela fosse rejeitada por considerar que a conduta das senadoras não configurou quebra de decoro parlamentar.

“A peça, a par de não ter enquadramento jurídico, legitimidade de partes e indicação de representados, impõe-se como uma tentativa de intimidação e de levar para o campo de julgamento moral uma tática política de minoria”, alegou.

Ao fim, a questão de ordem foi submetida ao plenário e aprovada pela maioria. Com isso, o processo contra as senadoras será arquivado, não podendo ser apresentada nova denúncia sobre o mesmo fato no colegiado.

Veja também

Ministra Cármen Lúcia pede informações ao governo sobre privatização dos Correios
STF

Ministra Cármen Lúcia pede informações ao governo sobre privatização dos Correios

Homicídio praticado por milícia privada poderá ser transformado em crime hediondo
Câmara dos Deputados

Homicídio praticado por milícia privada poderá ser transformado em crime hediondo