Conselho pune com censura promotor que chamou Gilmar Mendes de 'laxante'

A declaração do promotor Fernando Krebs foi a uma rádio de Goiás, onde ele é membro do Ministério Público estadual há 26 anos

Gilmar Mendes ministro do Supremo Tribunal FederalGilmar Mendes ministro do Supremo Tribunal Federal - Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) decidiu punir com censura um promotor de Justiça que, em junho do ano passado, disse que o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, era "o maior laxante do Brasil".

A declaração do promotor Fernando Krebs foi a uma rádio de Goiás, onde ele é membro do Ministério Público estadual há 26 anos. Na entrevista à rádio, o promotor criticou os habeas corpus concedidos por Gilmar no contexto dos desdobramentos da Operação Lava Jato.

O plenário do CNMP julgou na tarde desta terça-feira (27) um PAD (processo administrativo disciplinar) contra Krebs e, por unanimidade (12 votos), decidiu punir o promotor.

Leia também:
Suspensão de ação da Lava Jato serve só para um réu, diz Gilmar Mendes
Juiz que atuou na Lava Jato manda CNMP tirar de pauta processo que poderia punir Dallagnol


Quatro conselheiros votaram para aplicar a sanção de advertência (mais branda), mas foram vencidos.

A pena de censura, a segunda mais branda depois da advertência, é uma reprimenda aplicada por escrito que pode, em algumas circunstâncias, dificultar a promoção na carreira.

O relator do processo, conselheiro Luiz Fernando Bandeira de Mello Filho, afirmou em seu voto que a declaração de Krebs atingiu a imagem do STF e transgrediu valores abarcados pela ordem constitucional.

Para Bandeira, soa contraditório chamar uma pessoa de laxante e, depois, dizer que não quis ofendê-la.

A presidente do CNMP, procuradora-geral Raquel Dodge, considerou que o promotor cometeu um excesso e disse que a crítica é possível, mas há limites.

A defesa de Krebs sustentou que ele respeita o trabalho do ministro Gilmar e que a palavra "laxante" foi uma referência ao colunista José Simão, da Folha de S.Paulo, que já a havia empregado em textos de humor.

Ainda segundo a defesa, tão logo o caso ganhou repercussão negativa, o promotor concedeu uma segunda entrevista à mesma rádio para se retratar.

A expectativa é que o CNMP também discuta, ainda nesta terça, uma reclamação feita pela senadora Kátia Abreu (PDT-TO) contra o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato em Curitiba.

A senadora pede a responsabilização de Deltan por causa do vazamento de uma delação premiada.

O corregedor do CNMP, Orlando Rochadel, havia arquivado o procedimento. Kátia recorreu, e o plenário do conselho deverá julgar se reabre o caso.

Veja também

Alas negras de seis partidos pedem que STF barre troca, por candidato, da cor declarada
cotas

Alas negras de seis partidos pedem que STF barre troca, por candidato, da cor declarada

Celso de Mello antecipa aposentadoria em três semanas e deixará STF em 13 de outubro
STF

Celso de Mello antecipa aposentadoria em três semanas