A-A+

BOLSONARO

Conta de empresa de ex-esposa de Bolsonaro registrou 1.185 saques que somam R$ 1,1 milhão em espécie

Valor foi retirado entre 2008 e 2014; investigação do MP do Rio apura movimentação financeira de Ana Cristina Valle, ex-chefe de gabinete de Carlos Bolsonaro e suspeita da prática de 'rachadinha'

Ana Cristina Valle, ex-chefe de gabinete de Carlos BolsonaroAna Cristina Valle, ex-chefe de gabinete de Carlos Bolsonaro - Foto: Reprodução/Instagram

Uma empresa aberta em 2007 por Ana Cristina Siqueira Valle, ex-esposa do então deputado federal Jair Bolsonaro, registrou na conta bancária um total de 1.185 saques que somaram R$ 1,15 milhão em espécie.

O montante, segundo investigação do Ministério Público do Rio (MP-RJ), corresponde à metade do valor retirado da Valle Ana Consultoria e Serviços de Seguros no período analisado, entre 2008 e 2014.

Para os promotores, as “movimentações financeiras atípicas” de Ana Cristina são indícios de que empresas vinculadas a ela “possam ter sido utilizadas para ocultação de desvio de recursos públicos oriundos do esquema de ‘rachadinha’ na Câmara de Vereadores”.

Por conta da movimentação da empresa, o MP-RJ incluiu na quebra de sigilo contra ex-funcionários do vereador Carlos Bolsonaro, incluindo Ana Cristina, que foi sua chefe de gabinete entre 2001 e 2008, duas pessoas ligadas à Valle Ana Consultoria: Adriana Teixeira Machado, sócia minoritária de Ana Cristina, com 10% da empresa, e Luci Teixeira, sua mãe. Procurada, a defesa de Ana Cristina disse ao GLOBO que não vai se manifestar sobre a investigação.

Luci, que mora em Resende, assim como a filha, ficou nomeada como funcionária de Carlos na Câmara do Rio entre outubro de 2005 e 1º de agosto de 2007. A empresa de Ana Cristina e Adriana foi aberta no dia 7 de agosto de 2007, segundo cadastro da Receita Federal.

Na matéria completa, exclusiva para assinantes, veja em detalhes o volume de saques em espécie registrados pela empresa de Ana Cristina.

 

Veja também

Renan se isola em CPI, e senadores avaliam até emendas caso relatório não seja alterado
CPI

Renan se isola em CPI, e senadores avaliam até emendas caso relatório não seja alterado

Deputado do PT pede cassação de colega que chamou papa e arcebispo de 'safados' e 'pedófilos'
Decoro parlamentar

Deputado do PT pede cassação de colega que chamou papa e arcebispo de 'safados' e 'pedófilos'