Conversa pode se dar nos tribunais após filiação de FBC

Advogados garantem que, nesse caso de "economia interna" do partido, o processo de daria na justiça comum

A filiação do senador Fernando Bezerra Coelho ao PMDB, ontem, se deu na presença da cúpula nacional da sigla, incluindo o ministro da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, praticamente o único que mantinha ainda relação mais próxima com o presidente do PMDB-PE, Raul Henry. Foi com ele que Henry teve o último encontro, visando a viabilizar uma agenda com Michel Temer para que ele assinasse o decreto da devolução de Suape. De lá para cá, não houve retorno. Isso deixou membros da gestão Paulo Câmara sentindo um cheiro de "retaliação no ar", como a coluna registrara. Ontem, o gesto de Romero Jucá ao filiar FBC sem ter sequer uma conversa com a direção da sigla no Estado soou como um "ato de força".

Jucá já disse e repetiu que Fernando não entrará em bola dividida. No PMDB-PE, o recado, agora mais duro, parece ter sido entendido. Não à toa, o partido soltou uma nota assinada pela "Direção estadual do PMDB". O texto não é explícito, mas passa a mensagem de que o partido foi atropelado pelo ato da nacional. "Pelo elevado cargo que ocupa, o gesto do senador demonstra, no mínimo, falta de consideração e de respeito com as lideranças partidárias no Estado", diz um dos trechos. Se, na semana passada, Jarbas chegou a falar em clima harmônico no trato com Fernando, agora, a conversa entre eles pode se dar nos tribunais. O detalhe é que advogados eleitorais, à coluna, garantem que, nesse caso de "economia interna" da legenda, o processo se daria na justiça comum. Considerando que há diretório constituído, o procedimento é ainda mais complicado, alertam os especialistas. E lembram um outro ponto: a tese de infidelidade partidária poderia até ser atribuída a Jarbas Vasconcelos, mas destacam que o presidente da sigla é Raul Henry, o que poderia gerar novo embaraço no embate jurídico.

Nem um pio

Do dia em que Jarbas Vasconcelos foi consultado, em plenário, por Romero Jucá, na última terça-feira, como a coluna relatara, até ontem, data em que deu-se a filiação de Fernando Bezerra Coelho, Raul Henry, que está na China, manteve-se em silêncio.

Fora da área >
Mesmo entre os peemedebistas do Estado, observa-se que está difícil conseguir contato com Henry. Entre socialistas, a mesma observação se repetia ontem.

Cristal quebrado >
O ministro Mendonça Filho levou falta no ato de filiação de Fernando Bezerra. Entre os próprios socialistas, admitia-se que um incômodo gerado pela mudança de planos - da quase travessia do DEM para o ingresso no PMDB - ainda precisa ser diluído.

Passando a limpo > Líder do PSB, Tereza Cristina teve um café da manhã esta semana com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. O ministro Fernando Filho também pretende ir à mesa com o democrata nos próximos dias. Aliados dizem que Rodrigo ficou "com o pincel na mão".

Por... >
Presidente do PSB-PE, Sileno Guedes garante não ter recebido comunicação sobre eventual saída de Miguel Coelho do PSB. A interlocutores, o prefeito disse que, por enquanto, fica nas hostes socialistas.

...enquanto > "A gente vai ter que ter uma comunicado. O PSB tem candidato a governador. E o PSB é um partido que não tem tendências (correntes), sempre trabalhou dentro da unidade. Não há dois candidatos a governador no PSB. Se a decisão dele for permanecer, vamos ter que conversar", avalia Sileno Guedes.

Veja também

Criticado por postura na pandemia, Bolsonaro faz passeio de motocicleta em Brasília
Planalto

Criticado por postura na pandemia, Bolsonaro faz passeio de motocicleta em Brasília

Após esquerda, grupos à direita promovem carreatas contra Bolsonaro
Impeachment

Após esquerda, grupos à direita promovem carreatas contra Bolsonaro