EX-PRESIDENTE

Convidado para chefiar missão no Líbano, Temer precisa de autorização para sair do país

O ex-presidente ainda cumpre obrigações impostas no momento em que deixou a cadeia, como a retenção do passaporte.

Michel TemerMichel Temer - Foto: Beto Barata/PR

Depois de ser convidado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para chefiar a missão brasileira de ajuda o Líbano, o ex-presidente Michel Temer ainda precisará da autorização da Justiça antes de sair do Brasil. A informação foi confirmada neste domingo (9) pelo advogado de Temer, Eduardo Carnelós, que também afirmou que o pedido para que a viagem seja realizada já está pronto para ser entregue à Justiça.

O ex-presidente ainda cumpre obrigações impostas no momento em que deixou a cadeia, como a retenção do passaporte. Por duas vezes, no ano passado, precisou recorrer a juízes de segunda instância para fazer viagens internacionais.

O ex-presidente é alvo de sete processos que tramitam no Rio, Distrito Federal e em São Paulo e chegou a ser preso preventivamente pela operação Lava Jato fluminense em março de 2019.
 


Temer, que é filho de libaneses, foi convidado para liderar a missão brasileira de apoio ao país no Oriente médio. A capital libanesa foi atingida por uma enorme explosão que ocorreu na terça (4) em sua região portuária e deixou ao menos 158 mortos, além de cerca de 6.000 pessoas feridas. Depois do incidente, uma série de protestos começou na cidade.

Em nota, Temer se disse honrado com o convite. "Quando o ato for publicado no Diário Oficial serão tomadas as medidas necessárias para viabilizar a tarefa", afirmou o ex-presidente.

Um avião da FAB (Força Aérea Brasileira) com ajuda humanitária deve partir para o Líbano nos próximos dias.

Veja também

Presidente do Conselho de Ética sugere licença para senador flagrado com dinheiro na cueca
Chico Rodrigues

Presidente do Conselho de Ética sugere licença para senador flagrado com dinheiro na cueca

Amiga de Flávio Bolsonaro, 'tia Carminha' é madrinha da indicação de Kassio ao STF
Política

Amiga de Flávio Bolsonaro, 'tia Carminha' é madrinha da indicação de Kassio ao STF