Política

Convite da Índia a Bolsonaro exibe desejo de fortalecer laços

Originalmente, o dia 26 de janeiro comemorava a independência da Índia

Bolsonaro em visita à Índia Bolsonaro em visita à Índia  - Foto: Flickr/ Palacio do Planalto

Leia também

• Óleo já atinge mais de mil locais no litoral do Brasil

• Pagamento online requer cuidados

Como convidado de honra do Dia da República da Índia, o presidente Jair Bolsonaro será homenageado durante uma dupla celebração. Originalmente, o dia 26 de janeiro comemorava a independência da Índia, porque foi nessa data, em 1930, que o partido Congresso Nacional decidiu que lutaria para se emancipar do Reino Unido.

Depois da independência indiana, em 15 de agosto de 1947, líderes queriam que o dia 26 continuasse a ser lembrado, então fizeram com que a promulgação da Constituição, em 1950, ocorresse na data. A Constituição marca a transição completa do país para uma democracia após a independência do Reino Unido.

No Dia da República, um desfile grandioso ocorre pelo Rajpath, um dos principais bulevares da capital indiana, e reúne uma multidão de até 1 milhão de pessoas, com direito a caças cruzando os céus, e tanques e camelos nas ruas.

Leia também:
Bolsonaro vai a templo hindu e come arroz e macarrão à bolonhesa em 1º dia na Índia
Bolsonaro diz que nomeação de Regina Duarte sai na quarta ou quinta-feira 


O evento se tornou uma data para celebrar os feitos da Índia nos campos militar e científico e para exaltar a diversidade cultural, religiosa e étnica do país. Às vezes há apenas um convidado de honra, como neste ano e em 2019 –quando o presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, foi o escolhido. Os ex-presidentes François Hollande, da França, em 2016, e Barack Obama, dos Estados Unidos, em 2015, também foram homenageados.

Em 2018, no entanto, houve 10 convidados, entre eles os presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, e da Indonésia, Joko Widodo, e o primeiro-ministro de Singapura, Lee Hsien Loong.

Os últimos líderes brasileiros a receberem esse convite foram Luiz Inácio Lula da Silva, em 2004, e Fernando Henrique Cardoso, em 1996. "O convite para qualquer chefe de Estado ou governo para ser o convidado de honra do Dia da República é um reconhecimento da importância que a Índia dá ao relacionamento com o país. Também reflete nosso desejo de aprofundar laços com o país", diz o cônsul-geral da Índia em São Paulo, Amit Kumar Mishra.

"A presença do presidente Bolsonaro no desfile de 2020 também é histórico, uma vez que marca os 70 anos da Índia como república." Por outro lado, houve críticas na Índia sobre a escolha do brasileiro para comparecer ao evento. Ativistas e entidades de esquerda afirmam que um líder com histórico de declarações homofóbicas não deveria merecer tal honra.

"O presidente do Brasil é uma figura tão polêmica, por que o convidamos? Entendo que temos ótimas relações com o Brasil, mas não tinha nenhum outro para a gente convidar?", perguntou uma jornalista indiana no briefing realizado no ministério das Relações Exteriores do país.

Veja também

PF conclui que Milton Ribeiro não cometeu crime em disparo de arma de fogo no aeroporto
Política

PF conclui que Milton Ribeiro não cometeu crime em disparo de arma

Colômbia está diante de guinada histórica para a esquerda
Mundo

Colômbia está diante de guinada histórica para a esquerda