Política

Convite feito por Branquinho foi reforçado por Paulo Câmara

Paulo Câmara fez questão de convidar João Paulo para ficar e ir à mesa junto com ele

Paulo Câmara convidar João PauloPaulo Câmara convidar João Paulo - Foto: Divulgação

O almoço foi na casa do prefeito de Bezerros, Severino Otávio, conhecido como Branquinho, que é do PSB. Mas o governador Paulo Câmara fez questão de convidar o ex-prefeito do Recife, João Paulo, para ficar e ir à mesa junto com ele. O chefe do executivo estadual e o petista conferiam o desfile dos Papangus no domingo de Carnaval. João Paulo já havia sido convidado pelo gestor municipal, mas o reforço para que ficasse e almoçasse veio do governador. Foram à mesa e a conversa girou em torno de amenidades. Considerando-se os últimos acontecimentos envolvendo uma aproximação entre PT e PSB no Estado, resta uma simbologia na sugestão feita pelo socialista para que João Paulo não fosse logo embora.

O petista sentou-se ao lado do governador. Secretário da Casa Civil, Nilton Mota também estava presente, assim como o deputado federal Danilo Cabral. Houve quem identificasse na cena uma "cara de chapa". João Paulo tem nome ventilado para compor a majoritária da Frente Popular, posto para o qual, na avaliação do deputado federal Jarbas Vasconcelos, ele tem todas as credenciais. À coluna, Jarbas chegou a afirmar que João Paulo tinha todas as condições eleitorais e políticas de estar na chapa de Paulo Câmara em uma das vagas para o Senado. Antes, Lula enaltecera, em entrevista de rádio, a necessidade de se fazer aliança. Diante de mais esse evento que aproxima o governador e o ex-prefeito, o petista contemporiza e volta a insistir que "qualquer diálogo do PT com PSB para discutir aliança vai se dar pela nacional e que não está nem marcada nenhuma conversa do PT nacional com o PSB nacional". Entre socialistas, o episódio guarda, sim, uma simbologia em ano eleitoral.

Blocos diferentes

Além de Paulo Câmara, também circulavam pelo camarote da Prefeitura de Bezerros o deputado federal Bruno Araújo, o senador Fernando Bezerra Coelho e o ministro de Minas e Energia, Fernando Filho. João Paulo os cumprimentou antes de seguir ao encontro do governador.

Distância > Quem estava presente, no entanto, observou que o senador Fernando Bezerra Coelho não chegou a cumprimentar o governador Paulo Câmara, embora Bruno Araújo e Fernando Filho o tenham feito.

Compreensão >
Em meio a novos rumores em torno da chance de o vice-governador de São Paulo, Márcio França, atravessar para o PSDB, há, no PSB, quem aposte que "no limite", caso seja necessário migrar para ter o apoio de Geraldo Alckmin, Márcio iria e o partido iria "compreender".

Jogada > "Pode ter uma compreensão do partido. O PSB, hoje, é o segundo maior partido de São Paulo em quantidade de prefeitos e isso foi um jogo feito de forma articulada com Geraldo Alckmin", observa um socialista em reserva.

Veja também

TRE-SP anula absolvição de Roberto Jefferson por xingar Cármen Lúcia
Brasil

TRE-SP anula absolvição de Roberto Jefferson por xingar Cármen Lúcia

Lula minimiza jabutis e diz que governo precisa aceitar flexibilização de PLs no Congresso
Brasil

Lula minimiza jabutis e diz que governo precisa aceitar flexibilização de PLs no Congresso

Newsletter