A-A+

CPI DA COVID

CPI da Covid deve convocar Marcelo Queiroga pela terceira vez

Cúpula da comissão quer que ministro da Saúde explique suspensão de vacinação de adolescentes entre 12 e 17 anos

Presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Marcelo QueirogaPresidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga - Foto: Alan Santos/PR

Leia também

• 'Bolsonaro não mandou nada', diz Queiroga sobre suspensão de vacinas em adolescentes

• Câmara técnica da Saúde fala em renúncia coletiva caso Queiroga não recue na suspensão de vacinação

• Queiroga leva em voos da FAB esposa, filhos e parentes de outras autoridades

A CPI da Covid planeja convocar pela terceira vez o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para depor. A cúpula da comissão quer que ele explique o recuo na vacinação de adolescentes, que contrariou especialistas. Segundo o presidente, Omar Aziz (PSD-AM), Queiroga deve ser ouvido nas semana seguinte à entrega do relatório, que se inicia em 4 de outubro.

O ministro também será questionado sobre a operadora de saúde Prevent Senior. Segundo um dossiê feito por médicos, a empresa atuou para ocultar mortes de pacientes que participaram de um estudo para testar a eficácia da hidroxicloroquina e azitromicina no combate ao coronavírus. O documento entregue à CPI aponta que conselheiros informais do presidente Bolsonaro, do chamado “gabinete paralelo”, acompanhavam de perto a pesquisa.

Na última quarta-feira, Queiroga suspendeu a vacinação para adolescentes sem comorbidade no país, alegando "falta de evidências científicas" e a "ocorrência de eventos adversos". Segundo o governo de São Paulo, um adolescente morreu, mas o óbito não teve relação com a vacina que havia tomado.

— Essa pisada de bola do Queiroga com relação à necessária vacinação dos adolescentes é a materialização daquilo que nós dissemos desde o início: o Queiroga era uma espécie de Pazuello de jaleco — diz o senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da comissão.

— Ele veio depor duas vezes, foram depoimentos contraditórios, ele está abaixo da expectativa que a sociedade tinha com relação à sua presença no ministério e continua parecendo muito influenciado pelo (Jair) Bolsonaro.

Nesta semana, serão ouvidos na terça-feira, o ministro Wagner Rosário, da Controladoria-Geral da União (CGU), na quarta feira, o diretor-executivo da Prevent Senior, Pedro Batista Junior, e na quinta, o diretor de relações institucionais da Precisa Medicamentos, Danilo Trento. A previsão é de que Renan entregue seu parecer na sexta-feira, 24.

Aziz considera que as principais linhas de investigação já se esgotaram. A comissão deixará pontas soltas, porém. Há 73 pessoas convocadas sem data para depôr, segundo levantamento do GLOBO. Entre elas estão pessoas próximas do presidente, como sua ex-mulher, Ana Cristina Valle, e sua advogada, Karina Kufa. As convocações foram aprovadas, mas sua concretização dividiu a cúpula da comissão. Aziz acredita que esses depoimentos acrescentariam pouco sobre a pandemia e extrapolaria para outros temas.

A CPI também deixou de lado a negociação para comprar a vacina russa Sputnik através da União Química. O ex-governador do Distrito Federal Rogério Rosso (PSD), que trabalhou para empresa, foi convocado, mas não deve depor. A União Química foi favorecida pela flexibilização na importação de vacinas sem aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) no início do ano da mesma forma que a Precisa , que vendia a vacina indiana Covaxin, mas ficou de fora do radar da CPI.

Veja também

João Doria vence prévias do PSDB para disputar Presidência em 2022
Eleições

João Doria vence prévias do PSDB para disputar Presidência em 2022

Eliziane Gama será relatora da indicação de André Mendonça ao STF
Política

Eliziane Gama será relatora da indicação de André Mendonça ao STF