A-A+

Senado

CPI ouve Marcos Tolentino, suposto sócio oculto da FIB Bank

CPI ouve Marcos Tolentino, suposto sócio oculto da FIB Bank

Marcos Tolentino em depoimento à CPI da PandemiaMarcos Tolentino em depoimento à CPI da Pandemia - Foto: Pedro França / Agência Senado

No retorno aos trabalhos de oitivas aos depoimentos de testemunhas e investigados, a CPI da Pandemia ouve, nesta terça-feira (14), Marcos Tolentino da Silva, dono da Rede Brasil de Televisão e suspeito de ser sócio oculto da empresa FIB Bank, que ofereceu garantias à Precisa Medicamentos, intermediária na negociação de vacinas junto ao Ministério da Saúde.

Depois de faltar alegando problemas de saúde, Marcos Tolentino veio ao Senado acompanhado por médico. Questionado por Omar Aziz (PSD-AM), ele confirmou que compareceu à CPI na reunião em que o colegiado ouviu o deputado Ricardo Barros. Tolentino fez o juramento se comprometendo a dizer a verdade quanto aos fatos de que tem conhecimento.

Assista ao vivo:

 

Marcos Tolentino
A convocação do depoente foi sugerida pelo vice-presidente da comissão, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Segundo o parlamentar, a FIB Bank forneceu à Precisa Medicamentos uma garantia irregular no negócio de compra da vacina indiana Covaxin pelo Ministério da Saúde.

Randolfe destaca que a garantia oferecida no contrato de R$ 1,61 bilhão é do tipo fidejussória, o que não estava previsto no documento assinado entre a Precisa, o Ministério da Saúde e a farmacêutica Bharat Biotech. De acordo com o contrato, a garantia para cobrir 5% do negócio (R$ 80,7 milhões) deveria ser uma fiança bancária, um seguro-garantia ou uma caução em dinheiro ou títulos da dívida pública.

O senador destaca ainda que a “carta de fiança” oferecida pela FIB Bank foi apresentada dez dias após o fim do prazo contratual. Ainda assim, o Ministério da Saúde incluiu a garantia fidejussória no sistema de pagamentos do governo federal como se fosse um seguro-garantia.

Veja também

Governo altera decreto e permite ampliar serviços de acesso à internet
Conexão

Governo altera decreto e permite ampliar serviços de acesso à internet

Deputado atacado por Boca Aberta pede que ele perca bottons de acesso à Câmara por segurança
Câmara dos Deputados

Deputado atacado por Boca Aberta pede que ele perca bottons de acesso à Câmara por segurança