'Crise provou que monopólio da Petrobras não serviu de nada', diz Maia

Maia não defende a privatização da Petrobras, mas diz que uma das possíveis soluções para a crise de combustível é que a empresa continue existindo, porém, com menor tamanho e disposta a concorrer com o setor privado.

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo MaiaPresidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

Pré-candidato ao Palácio do Planalto, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quarta-feira (6) que a greve dos caminhoneiros, que gerou uma grave crise de desabastecimento no país, provou que a estratégia de monopólio da Petrobras - de controle sobre a cadeia de produção e distribuição de petróleo em território nacional - "não serviu de nada".

Maia não defende a privatização da Petrobras, mas diz que uma das possíveis soluções para a crise de combustível é que a empresa continue existindo, porém, com menor tamanho e disposta a concorrer com o setor privado.

Leia também:
Rodrigo Maia convoca deputados a retornar a Brasília
Para Maia, saída de Parente não muda política de preços da Petrobras


"Essa crise provou que a questão estratégica da Petrobras ter todo o sistema, toda a cadeia, inclusive a distribuição, não serviu de nada. Acho que a Petrobras pode continuar existindo, num tamanho menor, participando do mercado, como estatal, concorrendo com o setor privado", disse Maia durante sabatina com os pré-candidatos à Presidência promovida pelo jornal Correio Braziliense.

Ele criticou o que chama de "incapacidade do governo" do presidente Michel Temer de reduzir as alíquotas que incidem sobre os combustíveis para diminuir o preço nas bombas. Para ele, isso mostra a "falência do Estado".

Maia tinha proposto, no início da crise, zerar o PIS-Cofins sobre o diesel, mas foi logo informado pela Receita Federal de que havia errado nas contas e que a perda para a União com a medida seria de R$ 14 bilhões, e não R$ 3,5 bilhões até o fim deste ano, como ele havia previsto, o que o fez recuar.

Nesta quarta, o presidente da Câmara foi ainda questionado por jornalistas sobre a possibilidade de privatização do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal e afirmou que, apesar de se considerar liberal na economia, não é favorável, neste momento, à venda dos bancos.

"No momento atual, o país não deveria pensar em privatizar o Banco do Brasil. O sistema financeiro precisa passar por uma grande reforma, uma desregulamentação", declarou. O deputado avalia que há uma concentração no setor e que a Caixa "precisa encontrar seu nicho", mas ponderou que a privatização, agora, não seria a solução.

Por fim, Maia comentou a tentativa de privatizar a Eletrobras, uma das principais bandeiras do governo de Michel Temer, emperrada no Congresso.

De acordo com o presidente da Câmara, a empresa "pode ser privatizada", mas afirmou que isso poderia ser feito de maneira "mais pulverizada".

Veja também

Vereador quer assistência psicológica nas escolas municipais do Recife
BLOG DA FOLHA

Vereador quer assistência psicológica nas escolas municipais do Recife

Mandatos coletivos avançam, mas ainda sob resistência; Juntas (PSOL-PE) é exemplo
Política

Mandatos coletivos avançam, mas ainda sob resistência; Juntas (PSOL-PE) é exemplo