Cunha foi preso em apartamento funcional que já deveria ter desocupado

Cassado pelos próprios pares em 12 de setembro, Cunha tinha 30 dias para desocupar o imóvel

Rodrigo Marques, humoristaRodrigo Marques, humorista - Foto: Franklin Maimone/Divulgação

O apartamento funcional em que Eduardo Cunha foi preso nesta quarta-feira (19) já deveria ter sido devolvido à Câmara dos Deputados há uma semana. Cassado pelos próprios pares em 12 de setembro, Cunha tinha 30 dias para desocupar o imóvel, que fica no final da Asa Sul, região central de Brasília.

A assessoria de imprensa da Câmara informou que além da tolerância de 30 dias após a cassação, foi dado ao ex-parlamentar mais dois dias devido ao feriado do dia 12, mas que mesmo assim ele não devolveu as chaves. Com isso, o peemedebista foi notificado nesta terça (18), um dia antes de sua prisão, a deixar o local sob pena de multa diária de R$ 142.

Apesar de dar 30 dias para que ex-deputados desocupem os imóveis funcionais, são comuns situações em que esse prazo é estourado. Nesses casos, a Câmara sempre tenta resolver a situação de forma administrativa. Só em situações extremas recorre à Justiça para que o imóvel seja desocupado. O advogado Ticiano Figueiredo, um dos que representa Cunha, afirmou que seu cliente estava desocupando o imóvel, que já o havia passado para outro parlamentar e que não tinha nenhuma intenção em permanecer no local.

Veja também

Bolsonaro nomeia Kassio Nunes Marques como ministro do STF
Supremo

Bolsonaro nomeia Kassio Nunes Marques como ministro do STF

Bolsonaro pede que diplomatas levem verdade do Brasil ao exterior
Política

Bolsonaro pede que diplomatas levem verdade do Brasil ao exterior