A-A+

Daniel Coelho: 'Temos que construir unidade, não divisão'

"Três candidaturas da oposição só fortalecem o adversário"

Deputado Daniel CoelhoDeputado Daniel Coelho - Foto: Rafael Furtado

A tese de múltiplas candidaturas já teve mais eco nas hostes oposicionistas. Mas a defesa da unidade passou a prevalecer. Uma fala do senador Fernando Bezerra Coelho, feita ainda no final de dezembro, realçando o nome de Raul Henry para concorrer à Prefeitura do Recife, gerou reação na ala da Oposição e o ex-senador Armando Monteiro Neto chegou a assinar nota, argumentando o seguinte: "Falar de nome, agora, é um desserviço tanto para a oposição, quanto para o Recife. O que deve unir a oposição é a discussão de um projeto". Ontem, FBC, em entrevista à rádio local, voltou a falar em candidatura de Henry, assinalando: "Raul me autorizou a prosseguir com conversas com outras forças". Dessa vez, o impacto da fala do líder do governo Bolsonaro no Senado foi menor entre os pares.

Em reserva, à coluna, um oposicionista avaliou assim: "A fala de hoje foi mais educada. Ele (FBC), legitimamente, defende isso. Não vejo problema". Ao mesmo tempo, no entanto, a fonte observa que essa defesa de Henry expõe fragilidades da Oposição. Entre elas, a necessidade de uma definição do emedebista se estará alinhado ao grupo, uma vez que o governo já tem João Campos como candidato. Além disso, questiona-se se Henry estaria sendo colocado como candidato do MDB apenas ou no sentido de ir além e agregar os demais partidos.

Há, em paralelo, quem veja Fernando "aprofundando a ferida" ao apostar numa "tese divisionista no lugar de costurar e aparar arestas". Daniel Coelho contemporiza e defende que a fala de FBC "não altera nada". Acrescenta: "O importante é, depois, unir. Não tem sentido defender a divisão. A gente tem que defender a unidade. Não tem sentido dividir nossas forças". Daniel classifica opiniões, a exemplo da externada por FBC, como "legítimas", mas adverte que o importante é que, passado o prazo de filiação, "a gente tenha unidade". Na avaliação dele, "três candidaturas no campo da oposição só fortalecem o adversário". Daniel, então, resume: "Temos que construir unidade, não temos que construir divisão".


 

Muito bem-vindo 
Caso Raul Henry decida deixar a base do governo, não haverá restrições ao nome dele nas hostes oposicionistas. Ao menos, Daniel Coelho diz o seguinte: "Se ele quiser entrar, será muito bem-vindo, tem excelente relação comigo e com vários integrantes".
Só observo> Daniel realça que Henry é "muito bem-vindo no palanque da Oposição, mas é uma decisão que ele vai ter que tomar". E emenda: " Até o instante, não sinalizaram. Fernando lançou e Raul não fez movimento. Se fizer, estará sentado à mesa".
Fura fila > Outrora, se dizia na Oposição que o nome de Henry enfrentaria alguma barreira uma vez que ele estaria na base do governo e teria que "entrar na fila". Agora, no entanto, outros nomes, além de Daniel, priorizam "o mínimo de coesão" para se lançarem e mostram-se capazes de abrir mão.
Não se meta> Não passou batida, no Recife, a declaração do presidente Jair Bolsonaro de que não vai “se meter” no pleito municipal, caso o Aliança pelo Brasil não tenha candidato. Há quem lembre que tinha oposicionista pensando em correr em faixa própria com apoio do presidente.
Cuscuz com política > Lançado anteontem pelos jornalistas Felipe Salgado, Elielson Lima e Márcio Didier, o podcast Cuscuz com Política faz uma radiografia dos municípios pernambucanos que poderão ter segundo turno. O programa pode ser encontrado nas plataformas de streaming, como o Spotify e YouTube. 

 

Veja também

Procuradoria investigará presidente do Equador por fraude tributária após Pandora Papers
Equador

Procuradoria investigará presidente do Equador por fraude tributária após Pandora Papers

Presidente anuncia apoio para 750 mil caminhoneiros comprarem diesel
Combustível

Presidente anuncia apoio para 750 mil caminhoneiros comprarem diesel