Decisão do STJ ajuda na tramitação da reforma da Previdência, diz líder

Neste sábado (20), o STJ suspendeu a decisão que impedia a posse de Cristiane Brasil como ministra do Trabalho

Líder do governo na Câmara, Aguinaldo RibeiroLíder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro - Foto: Reprodução

O líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) disse neste sábado (20) que a suspensão, pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), da decisão que impedia a posse da deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) como ministra do Trabalho dará tranquilidade para que o governo avance nas conversas com os partidos para a aprovação da reforma da Previdência.

O deputado disse que a discussão sobre o tema não deve ser ideológica e que é preciso prevalecer as necessidades pelas quais passa o país no sentido de fazer os ajustes nas suas contas.

Para Ribeiro, a suspensão da decisão da 4ª Vara Federal de Niterói que impedia a posse de Cristiane como ministra é o “restabelecimento daquilo que já havia sido definido anteriormente”. Ele disse que, com a decisão do STJ, haverá "tranquilidade para que possamos para avançar nas conversas com os partidos para a reforma da Previdência”.

“Vamos aprofundar o debate com os partidos para se criar o ambiente que já está começando a desmistificar as inverdades que se falavam contra a reforma da Previdência”, acrescentou o líder do governo em entrevista após reunião com o presidente Michel Temer e ministros no Palácio da Alvorada.

Por meio de nota, o STJ informou que, ao analisar o caso de Cristiane Brasil durante o recesso forense, o ministro Humberto Martins concordou com os argumentos da Advocacia-Geral da União (AGU) “no sentido de que condenações em processos trabalhistas não impedem a deputada de assumir o cargo, já que não há nenhum dispositivo legal com essa determinação”.

Leia também:
Planalto marca para segunda posse de Cristiane Brasil no Ministério do Trabalho
STJ suspende decisão que impedia posse de Cristiane Brasil como ministra
Maia: reforma da Previdência é prioridade, mas sem otimismo quanto à aprovação

De acordo com o ministro, inexiste no ordenamento jurídico norma que vede a nomeação de qualquer cidadão para exercer o cargo de ministro do Trabalho em razão de ter sofrido condenação trabalhista.

Na última sexta-feira (19), a Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu ao STJ para manter a posse da deputada como ministra do Trabalho. A apelação foi protocolada depois que o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), segunda instância da Justiça Federal no Rio de Janeiro, negou três recursos apresentados pelo órgão.

Veja também

STJ mantém Adélio Bispo em presídio federal de Campo Grande
justiça

STJ mantém Adélio Bispo em presídio federal de Campo Grande

Juiz nega dados telefônicos de assessores de Flávio em apuração sobre vazamento
Justiça

Juiz nega dados telefônicos de assessores de Flávio em apuração sobre vazamento