Defesa de Cunha faz ofensiva para que STF julgue habeas corpus

Cunha foi condenado a 15 anos e quatro meses de reclusão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas

Ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ)Ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A defesa do ex-deputado Eduardo Cunha deflagrou já na quinta-feira (30) uma ofensiva para tentar viabilizar que o habeas corpus do ex-deputado seja julgado pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Em pedido à corte, os advogados de Cunha afirmam que a sentença de Sergio Moro desta quinta não agrega novos elementos à decisão de prisão preventiva do peemedebista.

Cunha foi condenado a 15 anos e quatro meses de reclusão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Os novos fatos incluídos por Moro na decisão devem ser usados pelo Supremo como argumento para que a corte deixe de analisar o habeas corpus, que atacava o decreto prisional anterior.

O ministro Edson Fachin já usou argumento semelhante para nega, por exemplo, a viabilidade de um habeas corpus de José Dirceu.

No caso de Cunha, Moro cita como fato novo a relação de perguntas encaminhadas pelo peemedebista ao presidente Michel Temer.

"Agregam-se aqui, portanto, novos fatos à prisão preventiva anteriormente decretada. O condenado buscou intimidar e constranger o Exmo. Sr. presidente da República e com isso buscar alguma espécie de intervenção indevida."

Para a defesa do peemedebista, "não há inovação ou agregação".

"Trata-se de tentativa lamentável de inviabilizar o exercício da jurisdição" do Supremo, escrevem os advogados.

Veja também

Bolsonaro diz que China liberou insumos para produção da Coronavac no Brasil
Vacina

Bolsonaro diz que China liberou insumos para produção da Coronavac no Brasil

Jair Bolsonaro vê pressão subir e queda de apoio popular
PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Jair Bolsonaro vê pressão subir e queda de apoio popular